2018: ano do protagonismo das juventudes na Igreja

Quarta, 10 de Janeiro de 2018.



Acontece nesses dias, em Rio Branco, Acre, entre 07 e 14, a 12ª Assembleia da Pastoral da Juventude do Brasil. Entre os delegados do Estado do Rio participarão dois jovens trirrienses que, para nosso santo orgulho, são de nossa Paróquia São José Operário. São eles o Leandro Galdino, recém eleito Coordenador da PJ-Pastoral da Juventude do nosso Estado, e Francielli Ferreira co-coordenadora da PJ da nossa Diocese de Valença. Estarão preparando o Sínodo Mundial da Juventude.
O Papa Francisco, como sabemos, convocou toda a Igreja, especialmente os jovens, à preparação do Sínodo Mundial dos Bispos, que terá como tema “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”, em outubro desse ano. Numa carta dirigida aos jovens, lhes disse: “Eu quis que vós estivésseis no centro da atenção, porque vos trago no coração”. Nesta carta incentiva-os a não ter medo de se colocar a caminho em direção àquilo que Deus lhes pede.
Na mesma carta convocatória, Francisco reporta-se às palavras que Deus dirigiu a Abraão: “Sai da tua terra, deixa a tua família e a casa do teu pai, e vai para a terra que Eu te mostrar”. E explica que essas palavras são dedicadas hoje aos jovens: “são palavras de um Pai que vos convida a ‘sair’ a fim de vos lançardes em direção de um futuro desconhecido, mas portador de realizações seguras, ao encontro do qual Ele mesmo vos acompanha”.
Assim, o Papa Francisco convida os jovens “a ouvir a voz de Deus que ressoa nos vossos corações através do sopro do Espírito Santo”.E explica que quando Deus diz a Abraão para sair, não lhe pedia “para fugir dos seus, nem do mundo. O seu foi um convite forte, uma provocação, a fim de que deixasse tudo e partisse para uma nova terra”. Daí, o questionamento: “Qual é para nós hoje esta nova terra, a não ser uma sociedade mais justa e fraterna, à qual vós aspirais profundamente e que desejais construir até às periferias do mundo?”.
“Mas hoje, infelizmente, o ‘Sai!’ adquire inclusive um significado diferente. O da prevaricação, da injustiça e da guerra. Muitos de vós, jovens, estão submetidos à chantagem da violência e são forçados a fugir da sua terra de origem. O seu clamor sobe até Deus, como aquele de Israel, escravo da opressão do Faraó”, assinala.
Ainda nesta carta, o nosso Papa recorda as palavras de Jesus quando respondia às pessoas que o perguntavam onde vivia: “Vinde e vede!”.Diz Francisco: “Jesus dirige o seu olhar também a vós, convidando-vos a caminhar com Ele. Caríssimos jovens,encontrastes este olhar? Ouvistes esta voz? Sentistes este impulso a pôr-vos a caminho? Estou convicto de que, não obstante a confusão e o atordoamento deem a impressão de reinar no mundo, este apelo continua a ressoar no vosso espírito para o abrir à alegria completa”.
A essa altura, o Papa chama a atenção para a necessidade do “acompanhamento de guias especializados” para “empreender um itinerário de discernimento para descobrir o projeto de Deus na vossa vida”. E diz uma palavra de ânimo: “Mesmo quando o vosso caminho estiver marcado pela precariedade e pela queda, Deus rico de misericórdia estende a sua mão para vos erguer”.
O Papa Francisco conclui sua carta incentivando os jovens a não ter medo “de ouvir o Espírito que vos sugere escolhas audazes”, porque “um mundo melhor constrói-se também graças a vós, ao vosso desejo de mudança e à vossa generosidade. “Não hesiteis quando a consciência vos pedir que arrisqueis para seguir o Mestre”. E assegura que “também a Igreja deseja colocar-se à escuta da vossa voz, da vossa sensibilidade, da vossa fé; até das vossas dúvidas e das vossas críticas”. Fazei ouvir o vosso grito, deixai-o ressoar nas comunidades e fazei-o chegar aos pastores”.
Tendo recordado o apelo do Papa, ouso, em nossa cidade de Três Rios, a conclamar as várias iniciativas de evangelização da Juventude – Pastoral da Juventude, EAC, Segue-me, JUFRA, JUPAC, RCC, ... – para que se sintonizem com o Sínodo e se deem as mãos na riqueza de sua pluralidade para que ganhemos para Cristo muitos outros irmãos/ãs jovens e também nos comprometamos com a busca, a defesa e o cuidado da vida de tantos e tantos desses nossos jovens feridos pelas drogas, pelo desânimo existencial, pela violência, pela falta de oportunidade de estudo e/ou trabalho, pela falta de famílias estruturadas, ... Ano Novo de Vida Nova para os Novos!
Medoro, irmão menor-padre pecador

Por Padre Medoro