Cada dia pode e deve ser natal

Quarta, 20 de Dezembro de 2017.

Compartilho com o amigo leitor, trechos da última Mensagem Natalina de São João Paulo II e ao mesmo tempo, como gesto de solidária comunhãonatalina, a Mensagem de Solidariedade do Conselho Nacional do Laicato do Brasil aos Camponeses em Greve de Fome.
“Diante da manjedoura de Belém — como depois diante da cruz no Gólgota — a humanidade faz já uma sua opção de fundo em relação a Jesus; uma opção que, em última análise, é a que o homem deve fazer sem o adiar, dia após dia, em relação a Deus, Criador e Pai. E isto realiza-se, antes de tudo e sobretudo, no âmbito do íntimo da consciência pessoal. É aqui que se verifica o encontro entre Deus e o homem. (…)
Para nós cristãos cada dia pode e deve ser Advento; pode e deve ser Natal! Porque, quanto mais purificarmos as nossas almas, quanto mais dermos espaço ao amor de Deus no nosso coração, tanto mais Cristo poderá vir e nascer em nós. (…)
Não podemos portanto transformar e degradar o Natal numa festa de inútil desperdício, numa manifestação assinalada pelo fácil consumismo: o Natal é a festa da humildade, da pobreza, do despojamento (...) do Filho de Deus, que vem para nos dar o seu infinito Amor; deve portanto ser celebrada com autêntico espírito de partilha, de comparticipação com os irmãos, que têm necessidade da nossa ajuda afetuosa.
Deve ser uma etapa fundamental para a meditação sobre o nosso comportamento para com o "Deus que vem"; e este Deus que vem podemos encontrá-lo numa criança indefesa que chora; num doente que sente faltarem-lhe inexoravelmente as forças do próprio corpo; num ancião, que depois de ter trabalhado durante toda a vida, se encontra de facto marginalizado e tolerado na nossa sociedade moderna, baseada sobre a produtividade e sobre o êxito. (…)
A Igreja eleva a Cristo esta esplêndida oração: (…) Ó Cristo, Rei das nações, esperado e desejado durante séculos pela humanidade ferida e dividida pelo pecado; tu que és a pedra angular sobre a qual a humanidade pode reconstruir-se e receber uma definitiva e iluminadora guia para o seu caminho na história; tu que uniste, mediante a tua doação sacrificial ao Pai, os povos divididos; vem e salva o homem, miserável e grande, feito por ti "com o pó da terra" e que traz em si a tua imagem e semelhança”!
MENSAGEM DE SOLIDARIEDADE DO CONSELHO NACIONAL DO LAICATO DO BRASIL AOS CAMPONESES EM GREVE DE FOME
“Felizes os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados” (Mt. 5, 6).
Motivados em nossa vivência cristã, nesse dia em que fazemos memória de Santa Luzia, invocada como protetora dos olhos, manifestamos nosso apoio e solidariedade aos companheiros e companheiras em “greve de fome”, contra a “reforma da Previdência e Seguridade Social”.
A proposta de reforma apresentada pelo governo Temer é mais uma atitude de des-governo brasileiro, que coloca em risco os direitos humanos, sociais e trabalhistas de milhões de brasileiros e brasileiras.
Como já dissemos anteriormente (nota de 15 de março de 2017), a proposta da “reforma da Previdência e Seguridade Social” ataca duramente os direitos dos trabalhadores e trabalhadoras. O governo continua publicando inverdades sobre a Previdência, numa campanha milionária, para levar ao sacrifício homens e mulheres, do campo e da cidade, em detrimento do favorecimento e/ou enriquecimento de banqueiros, empresários e investidores, além de manter os privilégios dos militares, do judiciário e do legislativo, que não serão atingidos pela reforma.
Renovamos nosso compromisso com a causa que é para todos os brasileiros e brasileiras, principalmente os empobrecidos da cidade e do campo.
Abramos nossos olhos para enxergar a dura realidade do povo sofredor, que tem “fome e sede de justiça” e renovamos nossas forças no Deus de amor e misericórdia para sermos testemunhas fiéis de seu Reino.
Frei Sérgio Görgen, Josi Costa, Leila Denise, Fábio Tinga, Simoneide de Jesus, Rosângela Piovizani, Rosa Jobi e demais lutadores e lutadoras que se juntam à causa pelo país afora, contem conosco!
Cuiabá, 13/12/2017 - Marilza José Lopes Schuina - Presidente do CNLB
Medoro, irmão menor-padre pecador



Por Padre Medoro