Calúnia e difamação no Brasil

Quarta, 21 de Março de 2018.

Fomos brindados, nesse momento difícil que atravessa nosso país pelo artigo do Pe Zezinho scj., que, sob o título acima, temos a alegria de compartilhar com o amigo e ilustre leitor.
“Para denegrir Jesus os fariseus da época, que eram religiosos e políticos e partidários caluniaram Jesus. E a difamação e calúnia colaram . Não soltaram Jesus. Acabou condenado por agir contra Roma e contra a fé judaica . E até hoje sujam o nome dele quando lhes convém.
Nesta última semana uma vereadora assassinada até agora por desconhecidos, tem sido massacrada, caluniada, difamada na mídia e nas redes sociais. Quem opina não vai verificar as fontes. Simplesmente veiculam notícias falando dela como uma santa ou como uma mulher perigosa ou imoral. E quem veicula o bem que ela também fez é tido como comunista e traidor da pátria e da Igreja. A ideia deles é matar a mulher cem ou mil vezes.
Ela não está viva para se defender. Por isso o assassinato tem prosseguido. Se errou, é isso que publicam. Se acertou isso não lhes interessa.
Nesta semana também estão dizendo que um bispo católico de Goiás e cinco padres foram presos por desvio de dinheiro. Imediatamente quem viu e ouviu a Globo e outros órgãos da imprensa estão repercutindo a difamação.
Não importa a explicação do bispo e da Diocese de Formosa GO. A explicação não saiu pela Globo até agora, por isso não existe ! ...
E há católicos que poderiam consultar os veículos da Igreja, mas não consultam. Regem-se pelos jornais ou emissoras que não morrem de amores pela nossa Igreja.
Assim, a calúnia seguirá, porque duvido que os mesmos veículos que difamaram a vereadora morta e o bispo vivo corrigirão as notícias. Se corrigirem, farão timidamente e sem o mesmo estardalhaço das primeiras notícias. Notícias desmentidas ganham duas linhas, quando a acusação ocupou 30 linhas.
O Brasil está governado por fakes. E não duvido que algum católico poste que isto que acabo de escrever como um fake. Dirão que não fui eu quem escreveu. A mentira tomou conta das notícias do mundo e também do Brasil. Há pessoas que adoramrepercutir denúncias e escândalos. Mas nunca repercutem a inocência! Isto é o que menos lhes interessa!”.
Esse artigo, por si mesmo, constitui um gesto concreta da Campanha da Fraternidade pela superação da violência. Aqui em Três Rios dois fortes gestos acontecerão no final de semana. Na próxima sexta-feira, as paróquias da cidade estão convocadas, bem como toda sociedade convidada, para o Encontrode Fraternidade pela superação a violência, com as autoridades responsáveis pela segurança publica, presidido pelo bispo diocesano, Dom Nélson Francelino. Será no Centro Pastoral, na Rua XV de novembro, às 19h.
O 6º Passeio Ciclístico pela paz vai reunir centenas de jovens das três paróquias, no próximo sábado, a partir das 9h, saindo da Igreja do Triângulo para a Praça da Autonomia. Os adultos estão convidados para pedalar com a juventude. Dois eventos que trarão certamente benefícios para o conjunto da sociedade trirriense. Venha participar com a gente!
Medoro, irmão menor-padre pecador

Por Padre Medoro

B01 - 728x90