Procrastinação: o perigo dos adiamentos

Quinta, 22 de Fevereiro de 2018.

Procrastinação: o perigo dos adiamentos

De acordo com o dicionário Priberam da Língua Portuguesa, procrastinação se refere ao ato ou efeito de adiar.
Procrastinadores são aqueles que vivem por adiar tarefas e tomadas de decisões; tendem a deixar tudo para “o dia seguinte” e assim adotam uma postura passivadiante da vida. Esse quadro torna-se um problema, pois se vive um ciclo, onde o indivíduo se vê impedido de realizar o que deveria, por estar sempre em uma condição de adiamento, postergando algo que demandava ação imediata.
A procrastinação pode estar presente nas rotinas de trabalho, na relação que o ser humano estabelece com o corpo e a saúde e também nos afazeres cotidianos. São famosos os discursos: “amanhã eu faço!”, “de amanhã não passa!” ou “no dia seguinte eu começo!”.
Procrastinadores acabam vivendo em intensa angústia e experimentam constante estado de alerta e medo. Autocobrança e distorção da imagem pessoal no que se refere às competências e habilidades, também fazem parte de sua realidade e podem culminar em crises de ansiedade ou depressão.
A procrastinação geralmente está relacionada à baixa autoestima, onde o sujeito passa a se considerar de fato incapaz. Um trabalho de ressignificação cognitiva é fundamental, para que o sujeito possa encarar tarefas, responsabilidades e decisões de forma mais funcional. Se os adiamentos são persistentes, o potencial de realização acaba sendo mínimo, o que além de frustrante torna-se limitante.

Psicóloga Bruna M. Spada Sant’Anna, Especialista no Atendimento de Casal e Família, Integrante do COMMUTRI – Conselho Municipal da Mulher Trirriense, Palestrante, Coautora do livro: Psicologia Temática e Colunista do Jornal ENTRE-RIOS e da Revista Minha Saúde.

Por Bruna Spada

B01 - 728x90