Alterações nas regras do cheque especial são positivas, mas sucesso dependerá das instituições

Segundo a FecomercioSP, os bancos também precisam munir o consumidor com informações claras e transparentes sobre os valores pagos de juros no cheque

País - (Economia) - Sábado, 14 de Abril de 2018.

 Alterações nas regras do cheque especial são positivas, mas sucesso dependerá das instituições

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) considera positivas as alterações nas regras do cheque especial anunciadas pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) na última terça-feira (10). As mudanças são uma ação voluntária dos bancos e devem entrar em vigor a partir de julho deste ano.
De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, o sucesso da medida dependerá das próprias instituições financeiras. Isso porque o cheque especial é uma das operações de crédito mais lucrativas, e são os próprios bancos que estabelecem o limite, podendo aumentá-lo a qualquer momento.
Além disso, será necessário um intenso trabalho de educação financeira, com o objetivo de disciplinar os consumidores sobre o uso consciente do crédito. Dessa forma, a Entidade ressalta que é necessário munir o consumidor com informações claras e transparentes sobre o valor que está pagando de juros e outros encargos na operação, a fim de que, assim, ele consiga entender o tamanho da sua dívida com o cheque especial.
A sugestão da Entidade é de que tais informações sejam disponibilizadas semanalmente no extrato da conta corrente, com aviso instantâneo ao acessar a conta via caixa eletrônico, internet banking ou aplicativo do celular. O extrato semanal daria consciência aos consumidores dos custos atuais da operação com cheque especial.

O que muda
O cheque especial é um limite de crédito aprovado pelos bancos aos seus clientes para que seja utilizado em situações emergenciais. Mas, na prática, grande parte dos brasileiros utiliza esse crédito frequentemente, incorporando o valor a sua renda mensal. De acordo com dados do Banco Central do Brasil (BCB), a taxa de juros média dessa modalidade de crédito atingiu 324,1% ao ano em fevereiro.
O uso contínuo do cheque especial pode transformar o endividamento do consumidor em “uma bola de neve”, salienta a FecomercioSP. Para amenizar esse problema, a Febraban afirma que os bancos irão contatar os clientes que estiverem com mais de 15% de seu limite do cheque especial comprometido, desde que o saldo devedor seja maior de R$ 200, por um período superior a 30 dias, e oferecer uma modalidade de crédito alternativa com prazos e taxas definidos pelos bancos. Assessoria de imprensa FecomercioSP

Por Redação

Crédito da Foto: Imagem ilustrando

Publicidade
200 produtos com 50OFF -  468x60
AMARO 300x250_2