Famílias que esperam por casas populares em Areal agora estão sem o aluguel social

Manifesto está marcado para hoje em frente à prefeitura

Areal - (Cotidiano) - Sexta, 19 de Maio de 2017.

Famílias que esperam por casas populares em Areal agora estão sem o aluguel social

Não bastasse o martírio pela espera das casas populares, que foram prometidas para os arealenses que perderam suas residências após as fortes chuvas que caíram sobre a região, no ano de 2011, agora as vítimas da enchente, aguardam pelo recebimento do aluguel social, que está atrasado há um ano.   A princípio as pessoas seriam levadas para morar nas casas que foram construídas no Buraco do Sapo, em Areal, mas como a obra, do governo do estado, foi paralisada e não há saneamento básico, nem água e nem luz no local, a prefeitura de Areal, através do governo do estado, conseguiu que as famílias atingidas recebessem o aluguel social. Mas, segundo uma das moradoras, que espera por uma das 161 casas construídas, o aluguel não vem sendo pago e por este motivo, está marcado para hoje (18), um manifesto em frente ao prédio da prefeitura. “Vamos paralisar a prefeitura nessa sexta-feira, pois aluguel social não está sendo pago. Tem pessoas, como minha mãe, que já têm um ano que não recebem o que foi prometido”, disse Ana Carla, que é representante do grupo que se reuniu para requerer os direitos destas famílias. A ideia é que todos ocupem a porta da prefeitura e não deixem que os funcionários entrem nos prédios. O manifesto pacífico começará a partir das 9h. “Minha mãe recebia o aluguel social no valor de R$ 400 e agora não recebe mais. Ela é funcionária pública e ganha salário mínimo e só com aluguel gasta R$ 600 por mês. No caso da minha mãe, os filhos ajudam e as demais pessoas que estão na mesma situação, cada um se vira como pode”, relatou Ana Carla.  


Por Aline Carius

Publicidade