A livre iniciativa individual como solução dos grandes problemas

Por Carlos Bernardo González Pecotche (Raumsol)

Quarta, 28 de Novembro de 2018.

O que o mundo requer para se estabelecer novamente o império da ordem e da harmonia dos interesses humanos é a participação consciente de todos os homens, sob o signo da compreensão dos inevitáveis deveres que concernem a cada indivíduo. É, portanto, a participação de todos, de cada um na medida de suas possibilidades, o grande fator que contribuirá para que volte a imperar no mundo a ordem e a paz, pela reafirmação das leis que garantam e assegurem a confiança universal.
Não é possível que enquanto uns, em reduzido número, se esforçam para construir uma grande obra, os demais, em expressiva maioria, se despreocupem totalmente desse esforço, atentando contra a mesma obra.
A nosso juízo, produzir mais tem um profundo significado, pois a palavra produzir está ligada intimamente à palavra liberdade, já que se subentende que a produção se reduz quando a liberdade de produzir e de gozar dos benefícios da própria produção é restringida. Por conseguinte, surge a evidência de que se torna imprescindível assegurar o livre desenvolvimento da produção como meio mais eficaz para aumentá-la.
O homem necessita fomentar o livre desenvolvimento de suas ideias, para experimentar a feliz sensação que lhe proporcionam seus êxitos ou triunfos em sua luta contra todas as dificuldades que podem interceptar seu caminho no constante avanço para a meta de suas aspirações. Daí que seja tão necessário o fomento da livre iniciativa individual, para alcançar a solução de muitos dos grandes problemas que atualmente afligem a humanidade. A compreensão disso é, sem lugar a dúvidas, o que há de trazer novamente a paz aos homens e o que facilitará a conciliação de todos os interesses e aspirações humanas.
A prosperidade de um homem implica aprosperidade de um grupo de homens.
Mais ainda, de famílias vinculadas a ele; e a prosperidade de um grupo de homens pode implicar a prosperidade de um povo, como a prosperidade de um povo pode implicar a prosperidade de muitos povos. Mas essa prosperidade, para ser sólida e permanente, deve estar baseada na consciência da responsabilidade, bem como dos deveres e direitos que a cada um incumbem como célula útil e ativa da sociedade humana.
É possível que tudo o que ocorre no mundo beneficie a humanidade ao permitir que amadureçam as reflexões dos homens e eles compreendam que o bem que cada um reclama para si não deve conter egoísmos de nenhuma espécie, mas ser uma generosa expressão do sentimento humano, ao qual todos têm direito. Não é nada impossível que nas horas atuais se escutem muitas das palavras que foram desprezadas ontem, e que o pensamento dos homens se harmonize em favor de um ideal humano de superação e tolerância. Quando isso ocorrer, a paz no mundo estará muito próxima de se converter na mais bela de todas as realidades.
da Coleção da Revista Logosofia, tomo 5, pág. 179
• Reuniões Informativas – 3ª e5ª feiras às 18h; quartas ás 19h30
• Informações – tel. (24) 20307080 – 988421575
• www.logosofia.org.br–[email protected]

Por Logosofia

B01 - 728x90