A Paz Está Na Mente

Da Sabedoria Logosófica

Quarta, 20 de Março de 2019.

Paz! Em que momento a humanidade inventou esta singela palavra?
Refletir sobre a paz é vislumbrar uma humanidade digna da verdadeira condição de ser humano, reflexão que deve habitar todas as mentes.
De onde vem a paz? Onde a centelha que lhe dá volume aparece inicialmente? Estaria a paz na deposição das armas ou num memorável aperto de mãos? A realidade tem mostrado que não. Descobrir a origem da paz é buscar a causa primeira do bem.
E a antítese da paz? Onde nasce a guerra? Onde surge a faísca que incendeia a pólvora da guerra?
A experiência tem provado que, na vida, tudo tem sua origem em um pensamento. Portanto, a guerra, antes de ser guerra, antes das bombas, antes das violências, é um pensamento.
Da mesma forma, a paz, antes da simbólica deposição de armas, antes do simbólico aperto de mãos, antes do discurso de consenso, também é um pensamento.
E o que são pensamentos?
O pensador e humanista Carlos Bernardo González Pecotche, criador da Logosofia, afirma que pensamentos são “entidades psicológicas que se geram na mente humana, onde se desenvolvem e ainda alcançam vida própria”.
Por estranho que pareça, na mente, a paz e a guerra nascem e dividem o mesmo ambiente, portanto a guerra e a paz são irmãs consanguíneas na sua origem, ou seja, no ambiente mental.
Como ocorre nas famílias, em que os filhos nascidos e criados no mesmo ambiente, recebendo a mesma assistência dos pais, apresentam comportamentos diversos, essas duas irmãs mentais seguem caminhos opostos.
Enquanto a guerra alimenta-se no farto celeiro do egoísmo, da vaidade, da intolerância, da intemperança, da cobiça, do amor-próprio, do rancor, da rigidez, entre outros cereais da mesma linhagem, a paz busca sua substância no pequeno e quase vazio celeiro da compreensão, da solidariedade, da modéstia, da tolerância, da bondade, do desprendimento, entre outras culturas que, na atualidade, clamam por campo fértil para frutificarem-se em abundância.
Se guerra e paz nascem sob o mesmo teto, como fazer para coibir a primeira e abrir espaço para a segunda?
É novamente na Logosofia que está a resposta. Ao ensinar como nasce um pensamento na vida mental, como ele se reproduz e como utilizá-lo com lucidez e acerto, esta ciência fornece os elementos necessários para a expansão do pensamento de paz. Ensina ainda ao ser humano como estabelecer ordem em sua mente, a qual, à maneira de uma casa, diante de uma situação de conflito, necessita da intervenção da autoridade do chefe daquele núcleo social. Para a mente, a Logosofia recomenda a criação de um pensamento com autoridade suficiente para manter o controle e evitar que prosperem pensamentos de índoles diversas daqueles que contemplam o bem. Este pensamento-autoridade, segundo a Logosofia, é “o representante direto da consciência e o que encarnando as aspirações e decisões do ser, manterá a ordem, apesar das argumentações da dúvida, da impaciência e da resistência dos velhos hábitos”.
E novas reflexões surgem: Como combater a guerra enquanto pensamento e, portanto, restrita ao ambiente mental individual? Como canalizar a energia dos pensamentos de guerra para substanciar os pensamentos de paz?
A Logosofia demonstra que, conhecendo como funcionam o mecanismo psicológico individual, a mente, a inteligência e suas faculdades, o ser eleva o conteúdo de seus pensamentos e adquire o controle de suas ações.
É importante levantar ainda uma outra reflexão: A guerra começa em todas as mentes ao mesmo tempo? O conhecimento dos pensamentos mostra que não. A guerra e a paz começam em uma mente, nutrem-se ali com a substância mental que lhes é servida e multiplicam-se como as células do corpo. Seguindo o processo descrito por Pecotche, ganham independência e transportam-se de uma mente para outra.
Resta, portanto, ao ser humano, cuidar de suas células mentais, canalizando suas energias para as causas que enobrecem o gênero humano, combatendo a guerra dentro de si mesmo, num processo essencialmente individual, e, então, uma nova realidade se estabelecerá, e com ela uma nova cultura, a cultura da paz.

• Reuniões Informativas – 3ª ás 18h e 19h; 4ª feiras às 19h;
• Informações – tel. (24) 988421575 – 20307080 (noite)
• www.logosofia.org.br – rj-tresrios@logosofia.org.br

Por Logosofia

B01 - 728x90