A violência doméstica e a culpa da PM!!!

Sábado, 30 de Setembro de 2017.

Em 2017 mais de 400 homens agrediram mulheres. Quase todas elas eram suas companheiras e estavam dentro de seus lares. Mas e a PM?
A lei Maria da Penha completou sete anos no último dia 07 de agosto de 2017, e até essa data, a Central de Atendimento à Mulher, ligada à Secretaria de Políticas para Mulheres da Presidência da República, atendeu mais três milhões de denúncias, ou seja, a cada quatro minutos uma mulher é vítima de agressão no Brasil. Pesquisas atuais mostram que 75% da população acham que os agressores nunca, ou quase nunca são punidos; 42% acham que a justiça é lenta; 54% conhecem alguma vítima de violência doméstica; 29% consideram a pena pequena e 66% acreditam que o constrangimento ainda é uma barreira, pois a vítima tem vergonha que saibam da violência sofrida.
Algumas vítimas relatam que o medo e a impunidade de seus agressores costumam andar juntos. Porém, quem lida com o problema aponta os caminhos para que isso mude: Nós temos 500 delegacias para atender mulheres que sofrem violência no Brasil todo. A vítima que sofre violência ainda não tem acesso à justiça. São questões complexas que atingem a família toda, por isso os processos devem ser mais ágeis. A punição também deve ser exemplar.
Nas ocorrências de Violência doméstica, 80% das mulheres não querem a prisão do agressor, 9% se culpam pela agressão, acreditam que são responsáveis, pelo fato de terem falhado no cumprimento do seu papel culturalmente “determinado” ao gênero feminino na relação com o companheiro. Certamente esse número é um sintoma da sociedade brasileira, machista e patriarcal.
Na área de policiamento da 1ª Companhia do 38º Batalhão de Polícia Militar (que abrange os municípios de Três Rios, Areal e Comendador Levy Gasparian) de todas as ocorrências registradas na 108ª Delegacia de Polícia, cerca de 40% deles são de violência doméstica. Muitos desses casos de violência doméstica são protagonizados por agressores reincidentes e alguns casos acabam por desencadear lesões corporais cada vez mais graves e até homicídios passionais.
Diante desse quadro é que em janeiro de 2016 o Comando do 38º BPM decidiu desenvolver um projeto de prevenção à violência doméstica que fosse capaz de reduzir os casos de reincidência, lesões graves e homicídios. Atualmente o projeto Guardiões da Vida já acompanhou mais de 800 casos e obteve um grande sucesso de redução de reincidência, tendo alcançado o patamar de 6% do total de casos por ano na cidade de Três Rios. O projeto vem atuando diretamente na prevenção (essência da atividade Policial Militar) de crimes de violência doméstica, tendo como foco principal salvar vidas, atendendo e acompanhando as ocorrências de violência doméstica, a fim de que não haja reincidência nos casos denunciados, prevenindo novos crimes de ameaças, tentativas de homicídios e lesões corporais, impactando de forma a reduzir significativamente as ocorrências de crimes passionais, além de promover a conscientização da sociedade, por meio de palestras em eventos e escolas, distribuição de panfletos e folders informativos, estimulando novas denúncias e colaborando para que não ocorram novos crimes dessa natureza.
Enfim, a PM vem fazendo muito além do “servir e proteger”. Sobre o machismo hereditário da cultura brasileira: A CULPA TAMBÉM NÃO É NOSSA!!!!

Por Ten.Coronel PM Márcio Guimarães

B01 - 728x90