Aécio afronta caciques e leva bicadas de tucanos

Sábado, 18 de Novembro de 2017.

A decisão de Aécio Neves tomado na ultima quinta-feira(9) em afrontar caciques tucanos e trocar monocraticamente o presidente do PSDB,substituindo Tasso Jereissaiti por Alberto Goldmann,trata-se de um ato dramático do senador o qual deixa claro um gesto pra lá de contundente de apoio ao presidente Temer.Há que se observar tratar-se de dois políticos mais impopulares do país os quais dão mostras de que querem elevar sua aliança a um novo nível.Na realidade o que querem dizer é que seguirão juntos até o fim, como se unidos fossem por um pacto de sangue

Não é nenhuma novidade que a ala do desembarque tem FHC, Alckimin, Jereissati. Enquanto a outra reúne Doria e Perilo, além de Aécio,Fica quase impossível conciliar posições: Não há meio termo, ou o PSDB sai ou fica no governo. Essa conversa vai rolar muito,mas não haverá outro caminho a não ser pelo voto.

Há que se observar que o governo tem uma janela estreita para tentar aprovar a reforma ainda este ano, a começar pelo calendário de feriados. Restando apenas quatro semanas de atividade legislativa antes do início do recesso do final do ano. Se não for à votação agora, a proposta não passará em 2018, ano eleitoral.São muitas as dificuldades com relação as mudanças que estão em negociação. Elas só serão aprovadas depois que o presidente fizer a reforma ministerial tão cobrada pela base aliada. O atual formato do ministério tem sido o argumento maior para o grande descontrole.

Muito embora o governador paulista Geraldo Alckmin tenha dito que não é hora de “discutir questões pessoais”, e sim de esperar a próxima eleição da diretoria do partido, não evitou os gritos de “fora Aécio, durante a convenção no último domingo (12), na Assembleia Legislativa de São Paulo, mostrando nitidamente que o racha no tucanato vai se evidenciando cada vez mais Pedro Tobias, reconduzido a presidência do diretório paulista da sigla, em declaração à imprensa disse que Aécio deveria colocar o pijama e voltar para casa. ”Quieto ele ajuda mais.

Para o secretário Floriano Pesaro (Desenvolvimento Social),pré-candidato ao governo paulista, Aécio “não pode contaminar membros do partido” e deve “se afastar para se defender” das acusações na Justiça.Na semana passada, Tasso já havia acusado Aécio de "fisiologismo", e o senador rebateu dizendo que rechaça essa "pecha" O nome de Geraldo Alckmin é unanimidade no diretório paulista. A disputa interna será entre ele e seu afilhado político João Doria

Na realidade não é de hoje que a gente comenta que a falta de confiança desse governo provém exatamente da falta de apoio popular , e o apoio parlamentar daqueles que receberam propinas em espécie, para apoiar bandalheiras terão que começar a repensar tais apoios, já que continuam na alça-de-mira dos eleitores.

Em seus quase quatro anos de trabalho, a Operação Lava Jato já produziu perto de 130 réus, tendo sentenciado mais de 40 desses, muitos já encarcerados e outros ainda aguardando em liberdade o julgamento em segunda instância de suas condenações. Não são ladrões de galinha: são ex-ministros, governadores, senadores da República, deputados, altos dirigentes de estatais, empresários donos das maiores empresas nacionais, O que se espera é que a mudança feita na Polícia Federal pelo presidente Temer, não seja para enfraquecê-la, pois ainda existem muitos corruptos a espera do camburão.

Vou ficando por aqui

Por Carlos Letra

B01 - 728x90