Cuidemos melhor da nossa conduta

Sábado, 20 de Janeiro de 2018.

Como nos asseveram as entidades venerandas, no sentido vulgar, escândalo se diz de toda ação que de modo ostensivo vá de encontro à moral ou ao decoro. De acordo com Allan Kardec, na obra O Evangelho Segundo o Espiritismo, nas traduções mais recentes e mais fiéis da Bíblia, a palavra escândalo está expressa por tropeço (na tradução do Esperanto falilo), querendo significar que Jesus se referia a tudo que leva o homem à queda: o mau exemplo, princípios falsos, abuso do poder etc. Nesse sentido, o escândalo não está na ação em si mesma, mas na repercussão que possa ter. Implica sempre a ideia de um certo arruído. Muitas pessoas se contentam com evitar o escândalo,porque este lhes faria sofrer o orgulho, lhes acarretaria perda de consideração da parte dos homens. Desde que as suas torpezas fiquem ignoradas, é quanto basta para que se lhes conserve em repouso à consciência. São, no dizer de Jesus: “sepulcros branqueados por fora, mas cheios, por dentro, de podridão, vasos limpos por fora e sujos no interior”.

São palavras de Jesus, em Mateus, 5:29 e 30; 18:6 a 11 – Se algum escandalizar a um destes pequenos que creem em mim, melhor fora que lhes atassem o pescoço uma dessas mós que um asno faz girar e que o lançassem no fundo do mar. Ai do mundo por causa dos escândalos; pois é necessário que venham escândalos; mas ai do homem por quem o escândalo venha. Tende muito cuidado em não desprezar um destes pequenos. Declaro-vos que seus anjos no céu veem incessantemente a face de meu Pai que está nos céus, porquanto o Filho do Homem veio salvar o que estava perdido. Se a vossa mão ou o vosso pé é objeto de escândalo, cortai-os e lançai-os longe de vós; melhor para vós que entrareis na vida tendo um só pé ou uma só mão, do que terdes dois e serdes lançados no fogo eterno. Se vosso olho vos é objeto de escândalo, arrancai-o e lançai-o longe de vós; melhor para vós será que entreis na vida tendo um só olho, do que terdes dois e serdes precipitado no fogo do inferno.

É preciso que haja escândalo no mundo, disse Jesus, porque, imperfeitos como são na Terra, os homens se mostram propensos a praticar o mal, e porque, árvores más, só maus frutos dão. Deve-se, pois, entender por essas palavras que o mal é uma consequência da imperfeição dos homens, e não que haja, para estes, a obrigação de praticá-lo.

Interpretando o Evangelho na tentativa de explicar os recorrentes escândalos flagrados nos mais diversos cenários da vida pública brasileira, ações maldosas que envolvem tantos personagens inescrupulosos e que causam tamanho mal aos pequenos, há que se considerar que embora letárgica a justiça dos homens, a justiça divina chega sempre impiedosa para com seus autores. De que adiantaram seus volumosos depósitos em contas bancárias ancoradas nos mais longínquos paraísos fiscais? Os muitos imóveis e propriedades em nome de laranjas? Os diversos quilos de ouro, joias, roupas de grife, adegas abarrotadas, se acabaram ou acabarão dividindo espaço fétido nas penitenciárias?

Por certo que não teriam praticado mal simplesmente porque são propensos, afinal, propensos somos/estamos todos, mas, por questão de índole e tendência a expressar o que de mais negativo temos, conflito e desarmonia interior, os fracos se deixam influenciar pelas cargas negativas da atmosfera psíquica planetária, caindo em tentação. Tendências ao mal como ao bem são inatas da humanidade, particularmente, da parte que habita planetas de provas e expiações, como a Terra. Cabe a cada um de nós a decisão sobre qual caminho tomar, pois como responsáveis pelos nossos atos, bons ou maus, todos haveremos de prestar contas do que pensamos, falamos e fazemos, quando mudarmos de plano de existência. Na vida, apenas a parte material é finita, nosso corpo físico, enquanto nossa dimensão espiritual fadada alcançar a auto iluminação, ascensão.

Como cristãos e seguidores da doutrina Espírita, temos consciência de que esses nossos irmãos que fraquejaram precisam da nossa caridade. Elevemos nossa vibração e roguemos à Deus que os perdoem. Que cada arrependido dos males causados aos pequenos seja perdoado, de preferência, que o fruto do escândalo praticado seja restituído na íntegra, para que seja aplicado em benefício dos pequenos que tanto sofrem pelas consequências de seus atos desviantes. Que apaguem as marcas refletidas no sofrimento dos outros, que os possam fazer resgatar o caminho do bem.

Por Dr. Willian Machado

B01 - 728x90