Disciplinando nas urnas

Quinta, 13 de Setembro de 2018.

Onde está a nossa esperança? Estamos vivendo dias difíceis e de incerteza quanto ao futuro do nosso país. Estamos às vésperas de um momento em que muitas pessoas lutaram para que pudéssemos ter o direito de escolher nossos representantes políticos. Sabemos que muitas pessoas perderam a vida, foram perseguidas para nos sentirmos livres. Mas hoje, podemos dizer que ainda não há pelo que lutar? Que a única coisa a ser conquistada era o direito a votar e escolher os nossos governantes? Creio que não! Essa luta é de todos nós. Precisamos usar nosso voto como uma forma de lutar pelo que acreditamos, que é um país com menos violência, um país em que exercer um cargo político não significa ter ascensão social, um país em que exercer um cargo político não é se sentir acima do bem e do mal e muito menos, usar o cargo para se favorecer e massacrar as classes trabalhadoras. Nosso desejo é que nossos representantes ao ser eleitos passassem a abrir mão dos seus interesses e lutar para que todos tenham direito a viver com dignidade e sem achar que é normal tanta corrupção e ganância. Você pode estar pensando que isso é algo impossível, mas se não depositarmos nossa esperança no mandamento deixado por Jesus em que iremos depositar? Hoje um aluno me perguntou: “professora, qual a faculdade para ser político”? Então respondi: faculdade? Por que você acha que existe um curso universitário para se tornar político? O aluno me respondeu: “ué professora, antigamente quando alguém perguntava para uma pessoa o que ela desejava ser, a maioria respondia que queria ser médico, engenheiro, advogado. Eles respondiam pensando que essas profissões dão retorno financeiro. Hoje, a maioria das pessoas quer ser político. Olha quantas pessoas se candidatam quando tem eleições. Certamente, deve dar muito dinheiro não acha?” Ao ouvir esse questionamento do meu aluno, que tem apenas 11 anos de idade, fiquei pensando que não podemos deixar com que nossas crianças cresçam nutrindo esse pensamento. Alguma coisa precisa ser feita. E o que me veio à mente, foi a palavra disciplina. Sabe quando prometemos algo a uma criança e cumprimos, ela sempre vai se lembrar que você não promete somente. Da mesma forma são os nossos representantes, se eles não agem de acordo com as nossas expectativas, não deveriam ser reeleitos. Assim, aprenderiam que nós depositamos nossa esperança em pessoas de palavras, que busquem lutar por nós. E se não cumprirem, certamente não serão escolhidos para nos representar novamente.

Por Suzane Ferreira

B01 - 728x90