Drogas – o pior veneno

Quarta, 30 de Maio de 2018.

Droga é toda substância que ingerida, injetadam inalada ou absorvida pela pele entra diretamente na corrente sanguínea, atinge o cérebro alterando seu equilíbrio.
Historicamente, diversas dessas substâncias são usadas com finalidades terapêuticas, porém, em alguns casos podem criar dependências.
A dependência é notada pela necessidade incontrolável de mais consumo de uma substância, causando problemas sociais, físicos, emocionais, financeiros e muitos outros ao seu usuário.
Por que o uso de drogas?
As razões que levam alguém a usar drogas são:
- Curiosidade, influência de amigos fácil acesso e obtenção, desejo ou impressão de que todos os problemas podem ser aliviados.
Estas são as razões mais evidenciadas para o uso abusivo de drogas. Soma-se a estas razões mais evidenciadas a fase altamente crítica da adolescência, com seus questionamentos e busca das soluções para sua insegurança.
Porém, as drogas somente escondem os problemas por pouco tempo, não conseguindo fazer com que eles desapareçam, trazendo consequências muito ruins ao ser humano.
Potencial usuário:
Atualmente já é comum encontrar crianças de 10 a 11 anos consumindo drogas sendo maior a incidência entre os meninos.
Características de um usuário:
- Mudança de humor e de personalidade;
- Menor responsabilidade;
- Mudanças de amigo;
- Solicitação de maior privacidade;
- Dificuldade de comunicação;
- Queda de capacidade física e mental;
- Odores e objetos estranhos;
- Excitação, insônia;
- Pupilas dilatadas,
- Presença de comprimidos estranhos, frascos de colírio e xarope.
Estes são os principais sintomas e sinais sobre o uso de drogas. Eles poderão ajudar pais, professores e amigos a identificar um possível usuário, proporcionando a ele a recuperação e nova oportunidade de vida.
MACONHA – a fumaça da maconha é cancerígena. São necessários mais de 20 dias para que o organismo consiga de livrar dos efeitos de um único cigarro (baseado). Dirigir depois de fumar um “baseado” equivale a dirigir um automóvel bêbado. O uso da maconha dificulta o aprendizado e causa queda no trabalho, deixando o usuário com falta de motivação, fadiga, apatia, reduzindo também o impulso sexual. A maconha leva a desajustes psicológicos que conduzem ao uso de drogas pesadas.
ÁLCOOL – o abuso do álcool é um dos mais sérios problemas mundiais. O Brasil é um dos maiores consumidores de álcool do mundo. O alcoolismo provoca várias doenças: gastrite, cirrose hepática, pancreatite, hipertensão arterial, anemia, entre outras.
O alcoolismo é a principal causa de acidentes de trânsito no mundo, sendo a principal causa de internação psiquiátrica nas redes hospitalares. A maior parte dos alcoólatras começa a beber na juventude. O álcool é depressor do sistema nervoso central. É uma doença sob o ponto de vista biológico, psicológico e social. O álcool mata!
COCAÍNA – a cocaína cria dependência, levando a pessoa a mentir, roubar e até matar, com o albetivo de conseguir recursos para comprar a droga. Ela afeta o sistema nervoso central reduz muito a capacidade intelectual e o desempenho profissional. O uso da cocaína destrói a mucosa interna do nariz, causa hemorragia, dores de cabeça (cefaleia), crises respiratórias, ataque cardíaco, consulsões e morte.
CRACK – crack é uma forma de cocaína mais purificada que é fumada, levando os vapores diretamente aos pulmões de onde passam imediatamente à corrente sanguínea, atingindo o cérebro de forma extremamente concentrada. O crack causa depressão extrema, paranóia, irritabilidade e outros problemas sérios, levando o usuário a ficar violento, transformando-o em potencial suicida.
Pesquisadores têm observado que fumar crack pode causar danos aos pulmões, ataque cardíacos, derrame cerebral e problemas respiratórios.
INALANTES – seu uso somente deve acontecer com a devida orientação médica, pois a automedicação ou o uso indevido pode produzir dependência, causando também diminuição dos reflexos e sonolência. O maior perigo ao uso de tranquilizantes é a sua mistura com álcool, que potencializa seus efeitos, podendo matar ou levar ao coma irreversível.
LSD – conhecido também como “ácido”. O uso do LSD leva a tremores, convulsões, turvamento da visão e dilatação das pupilas, com grande risco de danos ao cérebro. O LSD é uma dar piores drogas que a humanidade conhece.
HEROÍNA – o usuário de heroína corre o perigo de doenças como desidratação e infecções adquiridas por seringas infectadas ou contaminadas, visto que essa droga é usualmente injetada. Nos locais das infecções aparecem abcessos e as veias se tornam inflamadas após o uso constante. A hepatite, o tétano, e a endocardite (infecção da parede cardíaca) pode ocorrer. Outro perigo é o de injetar a heroína em uma artéria ao nível de uma veia, o que, além de doloroso pode resultar em necrose permanente. Uma dose excessiva de heroína deixa o cérebro carente de oxigênio, pois o usuário fica com a respiração fraca entrabdo em estado de coma, tendo como consequência a morte.

Prevenção na Família

- Os pais têm papel fundamental na prevenção ao uso indevido de drogas.
- A partir do nadcimento do filho, o afeto, a forma de se relacionar o atendimento as suas necessidades básicas são decisivos na formação de sua personalidade.
- Algumas dicas para o trabalho de prevenção em família:
- O exemplo fala mais alto e forte. É muito importante que a família mantenha diálogo franco, compreensão e ternura. Isso é base para que seu filho seja seguro e feliz.
- Tenha cuidado com suas atitudes, elas podem ser copiadas pelas crianças.
- Abra espaço não só para seus filhos, mas também para os amigos, trazendo todos para dentro de sua casa. Isto será saudável para ambos (filhos e pais), dando maior oportunidade para conhecer todos mais de perto.
- A família que cedo começa o diálogo com o filho, encontrará na adolescência a aceitação e uma maior facilidade de “negociar”, proporcionando assim a criação de um canal de confiança em mão dupla.
- Os menbros da família devem se atualizar com leituras, participando e reuniões, palestras e debates sobre o assunto drogas, sem preconceitos ou omissões.
- É muito importante, num de prevenção, “falar um ano antes do que cinco minutos depois”.
O que dizer diante do problema?
Ao identificar um usuário ou dependente na família ou no seu meio de convivência, algumas medidas de orientação são necessárias:
- ajudar a resgatar valores perdidos, procurando reintegrá-lo na sociedade.
- aceitar a fragilidade familiar e recorrer a ajuda externa.
- não ter o sentimento de culpa pelo procedimento do filho. O que interessa, agora, é a saúde e a segurança dele.
- Procurar alguém que possa orientar o filho ou o amigo e a família, devendo ser um médico, um psicólogo ou um educador capacitado para ajudar se necessáriom, no encaminhamento para tratamento.
- A família deve acompanhar o processo de recuperação do seu membro, não trasferindo essa competência apenas para especialistas que atendem o doente, fazendo com que ele possa se sentir valorizado para que volte a curtir seus ideais, estudo, lazer, amigos e namoro.

Por Dr. Eneas Zandomênico

B01 - 728x90