Edgard Roquette-Pinto: Pioneiro da rádio brasileira

Sábado, 27 de Outubro de 2018.

Edgard Roquette-Pinto: Pioneiro da rádio brasileira

“Eis uma máquina importante para educar nosso povo!”, expressou-se espantado Edgard Roquette-Pinto (1884-1954) ao escutar uma mensagem transmitida via rádio. No ano de 1922, em comemoração ao centenário da Independência do Brasil, realizou-se, no Rio de Janeiro, a maior exposição internacional empreendida em nosso país, com a participação de mais de seis mil expositores de 14 nações. Na ocasião, empresários norte-americanos trouxeram a tecnologia da radiodifusão para demonstração na feira. Entusiasmado com o que testemunhou, Roquette-Pinto requereu ao governo federal subsídios para empreender o projeto de unir o país em torno do rádio. O financiamento, entretanto, veio através da Academia Brasileira de Ciências, que possibilitou a aquisição e instalação dos equipamentos necessários à criação da rádio. Assim, em 1923, surgiu a “Rádio Sociedade do Rio de Janeiro”.
Com o propósito predominantemente cultural, a recém criada rádio transmitia diversos concertos de música erudita, além de promover a então nascente MPB. Em sua programação havia, também, um conteúdo educativo que consistia de aulas e palestras de assuntos diversificados, além de uma especializada programação infantil.
Após 13 anos de existência, a estrutura da rádio requeria modernizações. Impossibilitado em realizá-las por falta de recursos, Roquette-Pinto decide doá-la ao Governo Federal, desde que este se comprometesse em manter uma programação cultural, afastando-se de qualquer influência comercial, política ou religiosa. Assim, em 1936, a antiga “Rádio Sociedade do Rio de Janeiro” transformou-se na Rádio MEC, existente até hoje.
A importância de Roquette-Pinto não se restringe à radiodifusão brasileira. Médico, professor, antropólogo, etnólogo e ensaísta, realizou diversos estudos pelo país, coletando dados e informações, desenhando um retrato de nosso povo. Intelectual renomado, foi membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, da Academia Brasileira de Ciências, da Academia Nacional de Medicina e da afamada Academia Brasileira de Letras.

Por Vinícius Pereira

B01 - 728x90