Eleições para os segmentos culturais do CMPC

Sábado, 08 de Julho de 2017.

Serão realizadas em agosto eleições para escolha dos representantes dos segmentos culturais do Conselho Municipal de Política Cultural para o biênio 2017/2019. Serão eleitospara representantes os candidatosque exerçam atividades nos segmentos ou tenham conhecimento da produção cultural. Os segmentos são: Artes Visuais, Artesanato, Audiovisual, Carnaval e Cultura Afro Brasileira, Circo e Cultura Popular, Dança,Literatura, Livro e Leitura, Teatro, Musica, Mídia Digital e Empresas e Produtores Culturais ePatrimônio Cultural e Cidade



Os conselheiros devem ser escolhidos de forma criteriosa e participativa da comunidade e terão autonomia nas discussões e nas decisões e suas funções serão consideradas de relevante interesse público.



O Conselho é um órgão paritário da sociedade civil e o poder público, uma de suas atribuições é colaborar na gestão e fiscalização das políticas de incentivo e desenvolvimento da cultura, participando no estabelecimento de prioridade e diretrizes. São de sua responsabilidade as ações propositivas e fiscalizadoras em relação aos agentes culturais públicos e privados, ligados à execução de projetos, à aplicação dos fundos, aos demais repasses financeiros e políticas voltadas à cultura, fortalecendo a atividades no desenvolvimento do município..



O Conselho Municipal de Política Cultural de Três Rios faz parte do Sistema Nacional de Cultura juntamente com o Plano de Cultura e as Conferências de Cultura. Essa será a segunda eleição do Conselho de Três Rios desde que o município aderiu ao Sistema Nacional de Cultura em 2011. O Conselho é um órgão colegiado que faz parte da estrutura básica do desenvolvimento cultural do município e propõe a formulação de políticas públicas, com a participação ativa da sociedade civil e o setor público. O CMPC proporciona a abertura de espaços para a participação de representares da sociedade e agentes ligados às políticas culturais, produção e gestão da cultura, estabelecendo discussão qualificada.



Para o Município é fundamental, a participação de toda comunidade ligada à produção cultural, como gestores, produtores, instituições sociais que desenvolvem atividades culturais, associações étnicas, universidades, escolas, academias literárias, setores ligados a ciências humanas, livros, folclore,artesanato, cinema,patrimônio cultural, audiovisual, carnaval, artes plásticas, museus, bibliotecas e outros, é muito importante pelo momento enriquecedor que o debate proporciona.



Os jornais são importantes fontes de pesquisa de Três Rios



A Secretaria de Cultura de Três Rios em convênio firmado com a Fundação Biblioteca Nacional está possibilitando a digitalização dos jornais de Três Rios. Encontram-se microfilmados a coleção de O AREALENSE e estão disponíveis para consulta. No momento, estão sendo preparados na Biblioteca Nacional,os exemplares do ENTRE-RIOS JORNAL. No entanto, a coleção está incompleta,  como pode ser visto na relação abaixo. Vamos ajudar a completar a coleção do ENTRE-RIOS JORNAL. Se você conhece alguém ou alguma instituição que tenha essa coleção, a informe e a sensibilize para que faça o empréstimo desses números a Biblioteca Nacional. Eles serão higienizados, e logo que digitalizados serão devolvidos. Assim, estaremos contribuindo para a preservação da memória de nosso município e garantindo uma importante fonte de pesquisa da nossa história.



ENTRE-RIOS JORNAL



NÚMEROS FALTOSOS: Coleção do Acervo da Casa da Cultura – Três Rios.



1935 – N. 1-24, 49 incompleto.



1936 – N. 52, 87 incompleto.



1937 – N. 103-105, 108-109, 113-114, maio a dezembro.



1938 – N. Todos os números de janeiro a dezembro.



1939 – N. 208-209, 215, 217-218, 221, 229, 234, 238, 240, 245-247, 251, 254, 257-258.



1940 – N. 260, 263, 264-265, 268-270, 272-274, 278-286, 289-296, 298, 303-306, 309-310.



1941 – N. 313, 317, 319, 322, 324-326, 338, 348, 350, 356-357, 359, 361.



1942 – N. 363.



1943 – N. 417-418 incompleto, 419, 455, 462, 464.



1944 – N. 470.



1945 – N. 520, 523-524.



1946 – N. 616.



1947 – N. 624-625, 633, 656, 665.



1948 – N. 686, 692, 712, 715, 728.



1949 – N. 733, 735, 743-744, 758-760, 769-772, 775, 777, 779 – Falta o mês de outubro.



1950 – N. 780-783, 792, 795-796, 798-799, 801, 803, 809, 815, 817, 821, 823, 830 – Faltam os meses de fevereiro, março e julho.



1951 – N. 836-837, 848-849, 851-852, 854-856, 859, 861, 864-865, 867, 873, 878-880.



1952 – N. 884, 886, 888-891, 894.



1953 – N. 960 incompleto.



1954 – N. 987-988, 991-992, 994, 997, 999-1002, 1009, 1015, 1021, 1036, 1038?.



1955 – N. De janeiro a junho só têm os n. 1048-1050, 1056, 1063. De julho a dezembro faltam os n. 1065-1067, 1072-1073, 1091.



1956 – N. 1092-1093, 1142-1143.



1957 – Sem falta.



1958 – Sem falta.



1959 – N.1299.



1960 – N.1352.



1961 – N. Sem falta.



1962 – N. 1424-1425 e de setembro a dezembro.



1963 – N. 1457, 1464, 1468, 1472, 1485, 1487, 1495, 1498, 1500.



1964 – N. 1511-1512, 1514, 1520, 1522-1523, 1527.



1965 – N. Sem falta.



1966 – N. Sem falta.



1967 – N. Sem falta.



1968 – N. 1704



1969 – N. 1759



1970 – N. Sem falta.



 



Vera Alves Pereira



Presidente



 



 



 


Por Conselho Municipal de Cultura

B01 - 728x90