Empresas criam regras para uso do WhatsApp

Sábado, 05 de Outubro de 2019.

Empresas criam regras para uso do WhatsApp

Com objetivo de evitar ações judiciais, diversas empresas vêm estabelecendo regras, através de contratos, para uso do WhatsApp como ferramenta de trabalho. A decisão é necessária, de acordo com gestores e advogados, para delimitar as responsabilidades de patrões e empregados, fugindo de possíveis processos trabalhistas que envolvam atividades pelo aplicativo.
Os termos em geral obedecem às necessidades das corporações, mas podem prever, por exemplo, que a participação dos funcionários em grupos seja voluntária, não havendo a obrigatoriedade de responder a questionamentos durante ou depois do expediente. Além disso, a criação de grupos profissionais deve ser autorizada pela administração. Informações que contenham dados particulares de clientes são terminantemente proibidas.
Já os códigos de ética e conduta, que podem vir acompanhados da cópia do contrato, falam sobre o comportamento esperado por parte dos usuários, assim como assuntos a serem evitados, tais quais a disseminação de correntes, mensagens de bom dia e discussões de cunho político ou religioso.
Parece demais? Talvez não, se levarmos em conta que cobranças de metas pelo WhatsApp, fora do expediente, já levaram a condenações de empresas pelo Tribunal Superior do Trabalho. Outras ações, como constrangimento e até demissão via grupo de aplicativo, tramitam nas esferas judiciais.
O advogado Marcos Alencar, em entrevista ao jornal Valor Econômico, ponderou que os empregadores precisam orientar seus funcionários para que tenham cautela no uso dos instrumentos digitais: “Eles são imprescindíveis, mas podem se tornar uma arma contra a organização empresarial”, disse.
Independente da instituição de contratos e regras, monitoramento e conversa sobre boas práticas no uso da rede são sempre bem-vindos para coibir abusos.
#BOMFIMDESEMANA

Por Daniele Barizon

B01 - 728x90