Esse problema é nosso

Sábado, 06 de Maio de 2017.

Falar de moradores de rua é falar de um problema instalado não só em nossa cidade, mas em todo o território brasileiro. O que mais ouvimos de indagação e de perguntas é: de quem é a culpa ou a responsabilidade.

Nomear um culpado seria injustiça ou até mesmo covardia, pois tenho dito e repito, não há culpados e sim vítimas. Somos vítimas de uma situação que está nos deixando encurralados e assombrados em meio a este cenário de horror e de abandono ao próximo.

A questão agora, neste atual momento é saber como podemos trabalhar para minimizar esta realidade.

Quase todos os indivíduos em situação de rua tiveram uma vida “normal” antes de chegar a esta dura realidade. As circunstâncias que o levaram a esta realidade são diversas, mas todas são de suma importância para este que passou por elas.

É dever de toda sociedade intender que o momento não de culpar ou responsabilizar alguém , mais sim de darmos as mãos, e de mãos dadas caminharmos para solucionar e resolvermos está questão. Cada um tem papel importe na sociedade, é dever de cada um exercer este papel sempre pensando, socorrendo e ajudando o próximo.

Devemos buscar soluções eficazes e práticas para atender esta demanda que cresce a cada dia. Não podemos fechar os olhos e cruzar os braços fingindo que não temos nada haver com esse problema. Esquecendo que temos sim haver, e pior, este problema está na nossa porta e nos confrontando todo dia. Isso quando não vivenciamos dentro da nossa família. Pois o número de surtos psiquiátricos tem crescido em meio a sociedade, levando um quantitativo expressivo a buscar refúgio na solidão. Muitos acabam largando tudo e partindo para uma vida solitária em meio às ruas. Tornando um morador em situação de rua. Não podemos esquecer de relatar aqui neste artigo, que as DROGAS tem um papel importante ou quase que principal neste cenário.
Mas esta discursão fica para um outro artigo.

A questão principal que devemos atentar é que há um caminho de volta, por mais que este caminho seja longo e doloroso. Porém este indivíduo precisa ser auxiliado e sinalizado para este trajeto. Sozinho é quase que impossível ele conseguir.

Desta forma a família, amigos, igreja, justiça e governo tem um papel fundamental para auxiliar e contribuir para o resgate desde indivíduo. Por isso a nossa fala sempre tem que ser no sentido de que todos nós temos a responsabilidade quanto a esse problema.

A ações conjuntas para ajudar estes indivíduos vão gerar um efeito maior e eficaz na vida destes e também em meio a sociedade. Cada vez fica mais claro e perceptível que precisamos caminhar de mãos dadas como sociedade em prol dos problemas que nos afetam e afetam nossas vidas.

Precisamos amadurecer este pensamento e esta idéia de que tudo vai se tornar mias fácil e ágil se juntos de mãos dadas caminharmos em prol de um bem maior. Que neste caso é o ser humano e a sociedade. A um novo horizonte a ser contemplado e desbravado.

Meu caminho pode não ser o teu caminho. Contudo, juntos marchamos de mãos dadas.
(Khalil Gibran)

Por Rafael Raposo

B01 - 728x90