Hiperplasia Prostática

Qualidade de vida do homem

Quarta, 07 de Março de 2018.

A hiperplasia prostática benigna é uma doença que se caracteriza pelo aumento e tamanho da próstata. Esse aumento relaciona-se com a idade e a produção de testosterona, hormônio masculino (di-hidrotosterona = DHT).
Parece paradoxal, porque se sabe que com a andropausa, ou distúrbio andrôgeno do envelhecimento masculino, há diminuição de testosterona e, contudo, a essa altura da vida, é que se desenvolvem mais acentuadamente os sintomas associados a essa patologia (doença). Admite-se que nesse caso os estrogênios (hormônios) por meio de um processo de aromatização, têm um papel prepoderante. Na verdade, é difícil definir HPB, visto que engloba vários conceitos anatomopatológicos (hiperplasia celular epitelial e a do estroma), que surge na zona periuretral da próstata (anatomia zonal de MacNeal); clínico, representando múltiplos sintomas do trato urinário inferior (Lower Urinary Tract Symptom – LUTS); e uso dinâmico, que tenta explicar a obstrução intravesical pelo incremento volumétrico observado no aumento da pressão detrusora (músculo da bexiga) com baixo fluxo urinário.
Sintomas do trato urinário inferior na HPB (hiperplasia prostática benigna)
- Estocagem: Frequência
Noctúria
Urgência
Incontinência
- Micção: Resistência
Jato Fraco
Intermitência
Esforço
- Pós-miccional: Gotejamento
{ Esvaziamento incompleto
Incidência e Prevalência
A HPB é uma das condições patológicas mais frequentes em homens acima dos 50 anos e sua prevalência aumenta progressivamente com a idade. Também se verifica maior tendência à progressão nas próstatas maiores que 30 ml e o seu antígeno prostático específico (PSA) desses doentes for superior a 1,5 (ng/ml) – nanograma por mililitro.
Pode causar um importante impacto na saúde e na qualidade de vida dos doentes e constitui-se na segunda maior indicação de cirurgia na população nessa faixa etária.
Por ser uma doença progressiva, causa importante morbidade, pela qualidade de vida e elevados custos socioeconômicos.
A HPB clínica representa as manifestações sintomáticas da HPB anatomapatológicos causando obstrução intravesical, por meio de mecanismos estáticos e/ou dinâmicos. Esses conjuntos de sintomas era antigamente conhecido por “prostatismo”; atualmente designado por LUTS.
Essa designação (LUTS) é mais abrangente e inclui os sintomas de enchimento/ armazenamento vesical, como frequência, urgência urgeincontinência e noctúria (antigamente denomiados irritativos) e os sintomas de esvaziamento vesical (bexiga), como hesitação, jato urinário fraco, gotejamento terminal e necessidade de fazer força para urinar (sintomas obstrutivos).
Convém referir que a HPB seja uma doença masculina, os LUTS ocorre em ambos os sexos que no sexo feminino é a disserctasia ou prostatismo feminino.
A história natural da progressão HPB
Idade 55 anos 60 anos 65 anos 70 anos
Volume Prostático 30 ml maior 40 ml maior 50 ml maior 6/ml
PSA 1,5 ng/ml 1,5 ng/ml 1,5 ng/ml 1,5 ng/ml

Nos últimos anos, o tratamento farmacológico, tornou-se a primeira escolha no tratamento sintomático da HPB, mostrando eficaz em curto prazo. As duas principais classes farmacológicas utilizadas são os bloqueadores dos receptores alfa-1-adrenérgicos e os inibidores da 5-alfarredutase (5-x1RS) = 5 alfa 1 redutase
Os bloqueadores dos receptores, X-1RS atuam no início da ação com melhora clínica após cinco dias como terapia de primeira linha na maioria dos pacientes com sintomas moderados a graves.
Os alfabloqueadores são responsáveis são por uma melhora consistente quer nos sintomas, quer no estado urodinâmica (Qmax), em 60% a 70% dos doentes.
Constitui indicação formal, para terapêutica cirúrgica as seguintes complicações da HPB: retenção urinária, insuficiência renal obstrutiva, hematúria, infecção urinária recorrente, litíase (cálculo) vesical e presença de diverticulite vesical (bexiga).
Causas da retenção urinária aguda: HPB, constipação, câncer de próstata estenose de uretra (estreitamento) coágulos, alterações neurológicas, complicações pós-operatórios, cálculo (litíase) prostática, medicamentos, infecção e desconhecidas/miscelâneas.
Retenção urinária aguda – A retenção urinária aguda é uma emergência médica e pode ocorrer em 83% dos pacientes acima de 85 anos com HPB. Geralmente incide mais em pacientes mais idosos e com algum fator que descompense a unidade destrusor-uretra prostático. Porém pode ocorrer de forma abrupta em pacientes mais jovens também.

Por Dr. Eneas Zandomênico

B01 - 728x90