O Aniversariante do Mês

Quarta, 12 de Dezembro de 2018.

O Aniversariante do Mês

Ele nasceu e cresceu numa obscura e desimportante cidade, Nazaré, de uma província, a Galiléia, politicamente dominada pelos romanos. Ela, até hoje, não teve mais do que três a quatro mil habitantes.
Ele trabalhou como simples carpinteiro até os trintas anos. E por três anos divulgou a verdade. Anos estes que, talvez, Deus realmente tenha habitado a Terra. Neste período, sua vida ganhou, repentinamente, um dom extraordinário. Um encanto infinito exalava dos seus passos. Algo penetrante e doce criava à sua volta um círculo de fascinação a que ninguém sabia escapar. Todas as virtudes de humildade, perdão, caridade e abnegação, de formas justas, estavam no embrião dos seus preceitos.
Ele, que nunca escreveu um livro, quase não teve um lar, jamais freqüentou uma universidade e nunca viajou mais de trezentos quilômetros do lugar onde nasceu, precocemente morreu pregado numa cruz.
Três séculos se passaram e, hoje, o nosso aniversariante do mês ainda é a figura central da cultura humana. Todos os exércitos, de Alexandre, o Grande, a Napoleão, já desafiaram este mundo. Todas as tropas, de Cristovão Colombo ao comandante do Bismarck, singraram seus mares. Todos os parlamentos se reuniram, os monarcas reinaram, porém, todos juntos não influenciaram tão poderosamente na vida da humanidade como ele.
Poderíamos ter herdado um tanque de guerra como monumento, erguido na praçinha de cada cidade, tal o número de conflitos em que os homens se envolveram. E se mutilaram. Ele, sem usar outra arma que não fosse a palavra, deixou uma Igreja como legado, uma sinagoga, um templo e seus pastores, padres e pregadores com a missão de religar rebanhos perdidos ao seu Pai.
Parabéns, Jesus, filho de José e Maria, pelo seu aniversário este mês. E muitos anos de vida porque enquanto lhe derem ouvidos, teremos muitas vidas também.



Por José Roberto Lopes Padilha

B01 - 728x90