Os Músicos “Virtuoses”

Sábado, 16 de Fevereiro de 2019.

O termo “virtuose” tem sua origem na Itália, no século XVIII, significando uma distinção reservada às pessoas de destaque em alguma área intelectual ou artística. Com o passar do tempo, passou a designar um instrumentista com extraordinário domínio de execução, frequentemente atuando como solista.
Considera-se que o virtuosismo não é, apenas, um atributo nato dos músicos, mas uma habilidade adquirida quando soma-se o talento natural à uma obsessiva dedicação ao estudo da técnica instrumental.
Grandes compositores foram tidos como virtuoses:
Johann Sebastian Bach (1685-1750): compositor de inegável genialidade, dominando por completo os rudimentos de harmonia, contraponto e teoria musical; contudo, foram suas habilidades ao cravo e ao órgão que o tornaram lendário em sua época. Como organista, Bach explorava toda a musicalidade de um dos instrumentos de execução mais complexa que existe. Ocasionalmente, fabricantes pediam sugestões ao grande mestre sobre melhorias nos instrumentos.
Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791): criança prodígio, aos cinco anos já executava com perfeição o violino e o piano, no mesmo período em que começou a compor. Seu trabalho, extenso e de altíssima qualidade atestam sua genialidade e virtuosismo. Durante os seus curtos 35 anos de vida, compôs mais de 600 obras.
Frederic Chopin (1810-1849): um dos maiores pianistas de história, foi um compositor igualmente genial , escrevendo peças ricamente elaboradas para o instrumento. Seus concertos públicos eram concorridíssimos, atraindo milhares de pessoas.
Franz Liszt (1811-1886): assim como Chopin, dedicou sua vida ao piano. Aos 12 anos já excursionava por toda Europa dando concertos. Tornou-se compositor de grande prestígio em seu tempo escrevendo, além de peças para piano solo, concertos e peças sinfônicas.
Niccolò Paganini (1784-1840): compositor protagonista da coluna da semana passada, suas contribuições para a técnica do violino se comparam às de Chopin e Liszt para o piano.
Sergei Rachmaninoff (1873-1943): um dos maiores compositores e pianista que o século XX conheceu, possuía técnica que ia além do convencional. Suas mãos enormes, com mais de 30 centímetros, possibilitava a realização de proezas ao instrumento.
O século XX foi, de fato, o período dos grandes “superstars” da música erudita. Desta vez, o foco não estava sobre os compositores em si, mas nos interpretes. Surgem Enrico Caruso, Bridget Nilsen, Maria Callas no canto lírico; Artur Rubinstein, Vladimir Horowitz no piano; Fritz Kreisler e Jascha Heifetz ao violino.

Por Vinícius Pereira

B01 - 728x90