Parasitoses cutâneas

Larva Migrans Cutânea Parte 4

Quarta, 29 de Agosto de 2018.

Larva Migrans Cutânea - também denominada dermatite linear serpiginosa, ancilostomíase cutânea, "bicho geográfico", "bicho de praia" ou "verme de areia", é dermatose muito pruriginosa causada pela inoculação acidental, na pele, de larvas de Ancylostoma existente nas fezes de cães e gatos.
A doença ocorre nas regiões tropicais e subtropicais, em áreas quentes e úmidas. Atinge indivíduos de qualquer idade, mas é mais comum em crianças que brincam em quintais e jardins e/ou praias com areias contaminadas. No período chuvoso, o número de pessoas infectadas aumenta, provavelmente pela dissolução das fezes desses animais, facilitando a oclusão dos ovos.
O agente causal é a larva de várias espécies de nematóides que, com frequência, parasitam cães e gatos. O ancylostoma braziliensis e o agente etiológico mais comum o animal defeca em solo, terra e/ou areia, depositando ovos do parasita. Encontrando condições propícias (umidade e calor), estes ovos transformam-se após 24 horas em larvas que, passado cerca de sete dias, tornam-se larvas filariformes infectantes. O homem, ao contato com a terra ou areia contendo as larvas, sofre penetração cutânea acidental, uma vez que a larva deveria penetrar a pele do animal (cão e gato) em que haveria de cumprir seu ciclo biológico, cujo final seria instalar no intestino do animal.
Na pele humana, a larva instala-se na epiderme e provoca uma reação inflamatória, ficando bloqueada ou progredindo na pele (derme), formando túnel progressivo (2 a 5 cm diários) como essas larvas não têm colagenoses específica para penetração na derme humana, não tendem a invadir a circulação sanguínea. São comum a eosinofilia e o aumento da IgE sérica (imunoglobulina E) causando processo alérgico

Diagnóstico
o quadro dermatológico se caracteriza pelo surgimento de papila eritematosa de alguns milímetros, intensamente pruriginosa. A larva caminha sob a pele e produz um túnel sinuoso, em que a extremidade migrante encontra-se mais ativa e a área terminal do túnel tende a discreta descamação. Em alguns casos a reação é mais intensa, com vesículas e bolhas. são afetadas as áreas que costumam ter contato com o solo (pernas, nádegas) lesões interdigitais dos pés podem simular dermatofitose e a superposição de eczema e infecção secundária pode dificultar o diagnóstico médico.
A morfologia migrante é diagnosticada por si mesma, e as formas papulares podem ser confundidas com outras afecções (por exemplo: reação a picada de inseto). A dermatite é autolimitada e cura espontaneamente em semanas ou meses, pois em meio inóspito a larva acaba por morrer.
Tratamento - Depende da localização e extensão da infestação lesões limitadas têm tratamento tópico com o tiabendazol (thiabena) e quadro extensos requerem tratamento sistêmico.

Por Dr. Eneas Zandomênico

B01 - 728x90