Parasitoses cutâneas - Miíase

Parte 5

Quarta, 05 de Setembro de 2018.

Miíase é causada por larvas de moscas. A forma primária é determinada pela larva da Dermatobia hominis, cujos ovos são transportados por moscas de outra espécie e depositados na pele humana. Após a penetração, larvas desenvolvem-se em período de 30 a 60 dias, determinando lesões com aspecto de furúnculo (miíase furunculóide ou berne). A forma secundária apresenta-se como:
1) Miíase cutânea, em que a mosca cochliavia macellaria (varejeira) e outras, de outros gêneros, colocam ovos em úlceras e as larvas desenvolvem-se em meio a necrose do tecido.
2) Miíase cavitaria, em que a mosca (cochliomyia hominivorax) deposita ovos na cavidade nasal (por exemplo: leishmaniose0 da orelha ou região orbicular (por exemplo, no carcinoma basocelular ulcerado).
3) Miíase intestinal, determinada, pela ingestão de larvas em alimentos ou bebidas contaminadas. os sinais e sintomas dependem da quantidade de larvas existentes e d imunidade individual.
Diagnóstico - em crianças e adultos a miíase mais comum, nódulos, localizados em pontos expostos da pele, inclusive no couro cabeludo. A inflamação é menor do que a do furúnculo e o orifício central drena secreção serosa. A sensação é próxima da dor e costuma ser referida como "fisgada ou ferroada".
Tratamento - É baseado na retirada das larvas e assepsia. Os parasitas são sensíveis à obstrução do orifício central da lesão furunculóide com esparadrapo, toucinho ou vaselina, por algumas horas. Ao sair para respirar, a larva pode ser pinçada após expressão cuidadosa. Eventualmente, a retirada das larvas pode ser feita por intervenção cirúrgica sob anestesia por infiltração local de lidocaína 2%.
Continua na próxima publicação

Por Dr. Eneas Zandomênico

B01 - 728x90