ÚLTIMAS NOTÍCIAS
ÚLTIMAS

Profissão Trabalho - Parte IV

Sábado, 02 de Maio de 2020.

  Profissão Trabalho - Parte IV Falar sobre o trabalho é falar sobre algo primordial para a sobrevivência do indivíduo e da sociedade como um todo, através do trabalho a humanidade tem dado passos significativos. Nessa série de artigos tenho falado da relação do homem com o trabalho ao longo do tempo e sobre os impactos da globalização. “É fato que o mundo e o tempo parecem estar ficando menores a cada dia”. Em meio a todo o contexto laboral, social e existencial muitos de nós passam a se questionar sobre o real sentido da vida, e muitos acabam por se sentir vagando em meio ao vazio. Estamos cada vez mais ansiosos por informações, conhecimentos e sabedoria. Em um mundo cada vez mais globalizado se torna cada vez mais viável analisar o tipo de desenvolvimento que nós queremos e se isso está em conformidade para que exista um maior equilíbrio do todo.
Com tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo muitos acabam se sentindo verdadeiros passarinhos fora do ninho. Para compreender-se na sociedade e na sua imensa rede de relações é preciso se enxergar no ninho, é difícil compreendê-la de forma mais aprofundada sendo um estranho no ninho e evitando bater as asas. Ao mesmo tempo em que somos passageiros dos “fatos sociais” que exercem influência sobre nós,acabamos sendo condutores das“ações sociais” e estamos colaborando para que as coisas aconteçam nas variadas áreas da sociedade como na do trabalho.
Nos dias atuais, é menos provável que o trabalho garanta estabilidade a longo prazo e/ou seja a mesma fonte de identidade que em outras gerações. Agora o trabalho é para muitos como um ponto de ônibus: o indivíduo chega até o ambiente de trabalho, exerce suas atividades e retorna para a sua casa sem uma identificação. Diante desse cenário muitos acabam por lamentar a segunda-feira e idolatrar a sexta-feira.Algumas pesquisas mostram que boa parte das pessoas não estão satisfeitas com o seu trabalho.
É comum em certo ponto nos questionamos sobre o quão significativo o nosso trabalho é para a sociedade e para nós mesmos. Mas afinal de contas o que precisamos para encontrar satisfação no ambiente de trabalho? Como encontrar um propósito mais significante para a vida laboral? Como o trabalho pode proporcionar a sensação de ser significativo? É possível me encontrar no ambiente laboral? Vejo o trabalho como tripalium, como sendo um sacrifício ou algo capaz de proporcionar prazer e dar sentido a existência? Vejo o meu trabalho como algo construtivo, produtivo e positivo ou como algo que dói e flagela a alma? Realizo o que realizo por me tornar alguém útil? Faço o que faço porque isso me preenche de forma positiva e causa bem-estar ou porque se não o fizer irei ser rejeitado pela sociedade e perecer? O popular sociólogo, filósofo, economista, historiador e jornalista Karl Marx já dizia que a primeira intenção de todo ser vivo é manter-se vivo. Fazer porque não existe outro meio não deixa de ser algo razoável em determinados contextos, entretanto é um dos piores cenários e menos prazerosos.
Basicamente podemos enxergar o trabalho como algo positivo ou negativo, a diferença está em como se vêe em como se quer as coisas. É claro que podemos querer um trabalho diferente do que realizamos e isso não está necessariamente ligado a status e ganho financeiro. Pode se estar satisfeito em diferentes tipos de trabalho e realizando as mais variadas atividades. Certa vez um amigo meu que trabalha em uma empresa de tecnologia pediu para deixar de trabalhar no ambiente administrativo para ir trabalhar na área operacional. Normalmente os trabalhadores dessa empresa costumam seguir o caminho inverso, mas não foi o mesmo para esse trabalhador. O que é agradável e desejável para uns nem sempre será para outros. Não é de hoje que se tem percebido que trabalhadores que realizam as suas atividades com maior satisfação e engajamento tendem a ter uma vida melhor e maiores níveis de produtividade.
Infelizmente muitas escolas, universidades e até mesmo a sociedade como um todo não dão muito ênfase em ajudar as pessoas a entender as suas autênticas vocações para o trabalho e acabam focando mais em preparar esses indivíduos para estarem prontos para qualquer trabalho. Algo que deveria ser levado mais em consideração é que diferentes pessoas acabam se sentindo melhor em diferentes trabalhos. Estar onde se quer estar e onde se sente prazer são algumas das chaves para se encontrar no trabalho.
Para entender o que se quer ser é preciso antes compreender o que se é, para saber onde se deseja ir é preciso primeiro enxergar onde se está. Quando me perguntam sobre o sentido da vida e o sentido da vida laboral costumo responder que não existem respostas prontas ou receitas de bolos para essas questões, mas que o sentido da vida e da vida laboral não estão nos simples atos de se viver e trabalhar, mas em saber onde se está, o que se é e para o que se vive e trabalha. As melhores respostas estão nas melhores perguntas. Mais importante do queos livrosque nos são apresentados é saber ler, interpretar e questionar. "As pessoas querem encontrar saídas enquanto existem caminhos". A grande questão na verdade acaba sendo como nós enxergamos as coisas, onde nos encontramos e onde desejamos estar.
Pensando na forte relação do homem com o trabalho podemos nos questionar sobre qual o legado que queremos deixar.Talvez o segredo esteja em encontrar mais do que doses de motivação que tendem a esfriar, talvez o segredo esteja em encontrar um sentido para se engajar. Talvez o objetivo da vida não seja só ganhar dinheiro, construir castelos de areia e ficar rico enquanto nos tornamos seres pobres de corpo, mente e espírito para alimentar os nossos estômagos e o sistema. Uma vida baseada simplesmente na busca desmedida por bens e serviços é tão vazia quanto uma vida que desdenha do trabalho e dasua importância para a sobrevivência do indivíduo e da sociedade. É necessário que exista equilíbrio na balança que pesa a vida laboral dos trabalhadores já que boa parte do tempo e energia da vida dos indivíduossão destinados ao trabalho. Quando essa balança tende de forma negativa o resultado é o adoecimento.Os trabalhadores não adoecem só por questões ligadas a segurança e saúde do trabalho, mas também por fatores psicológicos e sociais. Vale ressaltar que se consome cada vez mais remédiosantidepressivos devido ao descontentamento com o trabalho. No próximo artigo e último dessa série irei falar sobre buscar e encontrar sentido e satisfação notrabalho e responder aoutras questões relacionadas ao assunto. Seja forte e corajoso. Não se apavore nem desanime.

Por Jhean Garcia

Crédito da Foto: Reprodução