Qual o sentido da vida?

Quinta, 26 de Julho de 2018.

Que possamos valorizar o que realmente importa na vida!
Família; laços afetivos construídos; amizades verdadeiras; profundidade nos relacionamentos; cheiro de terra após chuva, andar na grama descalço; tempo de qualidade com os filhos, perdão diante das dores e mágoas; as cores diversificadas das flores e da vida; bolinho de chuva de vó; chocolate quente no inverno; filme e pipoca ao lado de quem se ama; banho de chuva; dança com música alta; o som das árvores e dos pássaros...
Tantas coisas que deixamos passar com a correria do dia a dia.
Que possamos ter novos olhares e mais sensibilidade diante das ofertas que a vida nos oferece.
O sistema capitalista pode escravizar, visto que sempre demanda mais do sujeito, que este se aperfeiçoe, trabalhe por mais horas, conquiste, acumule e desbrave, para que assim talvez encontre o grande “sentido” da vida. Contudo, todo ser humano é faltoso, nunca estará completo.
Valorize o tempo dispensado a quem se ama, as vivências compartilhadas, o afeto transmitido e recebido, essas são as marcas preciosas que carregaremos para sempre em nosso psiquismo.

Psicóloga Bruna M. Spada Sant’Anna, Especialista no Atendimento de Casal e Família, Integrante do COMMUTRI – Conselho Municipal da Mulher Trirriense, Palestrante, Coautora do livro: Psicologia Temática e Colunista do Jornal ENTRE-RIOSe da Revista Minha Saúde.


Por Bruna Spada

B01 - 728x90