Que hino é este que toca e não mais me toca?

Quarta, 29 de Maio de 2019.

Que hino é este que toca e não mais me toca?

Retirem as crianças da sala, para não que elas não repararem a distância que eles tomaram. E poupem nossos pais, saudosos, para que eles não percebam que nossos ídolos, até então tão próximos, ficaram tão distantes e diferentes de nós. No Globo Esporte, um helicóptero, último modelo, fretado, saía da Granja Comary levando nossos jogadores, em seu dia de folga, para o Rio de Janeiro. Tão perto Teresópolis da Cidade Maravilhosa, com suas pavimentadas e belas estradas esculpidas em torno de um visual tão bonito, carregado de hortênsias e admiradas por um dos dedos de Deus, porque não voltaram de lá naquele luxuoso ônibus da CBF pago com o dinheiro dos nossos impostos?
Você começa a perder um grande amor quando deixa de tocá-lo. Quando um da relação chega cansado e mal tem tempo para lhe conceder um abraço. O que dirá se não lhe for servida uma taça de vinho. E ainda ganhar um beijo de tia, na face. É hora, definitivamente, de começar a desconfiar desta paixão esportiva. Não há como alimenta-la quando todos eles, jogadores da seleção brasileira, cercados de segurança para não serem assediados, com fones de ouvidos para não perceberem o clamor da massa que ainda os idolatra, passam um definitivo recado quando desembarcam diante das suas invioláveis armaduras da Nike: “Por favor, Não me toques!”.
Em um país tão desigual, nosso jogadores cada vez mais deixam suas origens, sua língua, seu hábitos e cultura para ser tornar, diante da primeira Champions League, mais um cidadão desigual. Do real para o euro, do Flamengo para o Real Madrid, do Fluminense para a zaga do Paris St. Germain, se distanciam dos seus torcedores trabalhadores que acordam às 4 da madrugada de Caxias, Mesquita e São João de Meriti para pegar uma composição da Supervia. E que retornam espremidos às 18h00, mal veem seus meninos acordados, mas que tinham orgulho de economizar um pouquinho da feira para vê-los atuar no domingo. E na outra quarta também. Como ter time e trabalho misto se jamais na construção civil surgiu o Diego, o operário Arrascaeta a entrar no segundo tempo e os poupar?
Na preparação das maiores competições oficias, ficávamos colados aos alambrados do Hotel de São Lourenço, da cidade de Caxambu, do clima ameno e das Águas de Lindóia, onde se preparavam para a Copa do Mundo. Todos iam busca um calor, um carinho e um autógrafo com a humildade de um Mané Garrincha. Com a cumplicidade de um Carlos Alberto, do Santos, do Brito, que defendia o Vasco, do Piazza, ídolo do Cruzeiro, e Everaldo, a simplicidade convocada junto ao Grêmio. Hoje, protegidos pelo Daniel Alves, da Juventus, Thiago e Silva e Marquinhos, do Paris St Germain, e Marcelo, do Real Madrid, nossa seleção não respira mais o cheiro da e segurança e esperança das quais almejam seus compatriotas.
Quando aquele helicóptero subiu na telinha do Globo Esporte, e estragou nosso almoço de tão soberba a aparição, parecia um aviso que vinha dos céus e que iria percorrer cada pensamento dos nossos ídolos alienígenas antes do começo de cada partida da Copa América: “Que hino é este que toca e não mais nos toca?”

Por José Roberto Lopes Padilha

Crédito da Foto: Reprodução Rede Globo

B01 - 728x90