Quem é Judas?

Quinta, 22 de Fevereiro de 2018.

Creio que todos nós já passamos por situações inesperadas. Quantos de nós já não fomos surpreendidos por alguma notícia que jamais imaginavam que fosse acontecer? Hoje ao me levantar e assistir as notícias que ainda estão associadas ao carnaval, passei a pensar que em poucos dias, estaremos comemorando a páscoa, mas, que durante alguns dias algumas religiões estarão buscando vivenciar e se recolher por causa do período da quaresma. Mas infelizmente nos acostumamos apenas em comemorar e não em buscar de fato entender e compreender o que esses eventos têm a finalidade de nos ensinar. E ao pensar na páscoa, a primeira coisa que me veio à mente foi à palavra lealdade. Fiquei buscando entender o que veio a mente de Jesus por saber que seria traído e que mesmo assim continuou convivendo com seu traidor que todos sabemos o nome que foi Judas. Mas Ele não foi traído apenas por Judas. Jesus sabia que seria entregue as autoridades e que morreria por nós. Mas o mesmo o povo o qual presenciou seus milagres, seus atos de compaixão, que o acompanhava e sentava para ouvi-lo por horas e que teve sua fome saciada através do milagre da multiplicação dos Pães e dos peixes, o mesmo povo que presenciou a água ser transformada em vinho, que viu paralíticos andar, cegos poderem enxergar, leprosos poderem voltar ao convívio com suas famílias e com a sociedade porque estavam limpos, foi o mesmo povo que o entregou para ser crucificado. Afinal, mesmo sabendo que Pilatos não foi bonzinho ao deixar o “destino” de Jesus para o povo ao deixá-los escolher entre Jesus e Barrabás o que teria acontecido se tivessem escolhido aquele que tanto fez pelos pobres e necessitados, que até ressuscitou mortos? Será que já pensaram nisso? Sábado próximo é um dia conhecido por ser o dia de malhar Judas o traidor de Jesus. Sabemos que ele também traiu Jesus ao vendê-lo por trinta moedas de prata. Mas e o povo que sabia quem era Jesus e não fez nada para mudar o ato de Judas? O povo que se calou? O povo que teve coragem de gritar em alta voz e em coro para soltar Barrabás que era um ladrão e assassino impiedoso? Então de que podemos chamar esse povo? E nós continuamos agindo igual ao povo que traiu Jesus. Quando somos coniventes com situações erradas, quando nos calamos ao ver injustiças sendo feitas e nos calamos porque não estão nos atingindo. Nos tornamos Judas quando agimos para o nosso benefício sem nos importar se estamos magoando ou prejudicando um desconhecido ou até mesmo um amigo, alguém que convivemos e até mesmo dividimos o pão. Que nesse período que antecede a páscoa que cada um de nós busque refletir sobre de fato o que é trair a confiança de alguém, o que é ser um Judas.

Por Suzane Ferreira

B01 - 728x90