ÚLTIMAS NOTÍCIAS
ÚLTIMAS

Respeito é bom e o Botafogo merece

Quarta, 26 de Maio de 2021.

  Respeito é bom e o Botafogo merece Acabo de ler, no livre espaço democrático das redes sociais, mais uma gracinha contra o Botafogo. Tipo, "Saiu a relação do Cartola e não havia jogadores do Botafogo. Erro de digitação?"
Todo mundo deveria estudar História. Se não a grego-romana, a das grandes navegações, pelo menos aquela que diz respeito a nossa maior paixão: a do futebol. Se o fizessem, renderiam homenagens, não fariam gracinhas à essa estrela brilhante e solitária.
Porque se alcançamos o título mundial, em 58, a ala esquerda do Botafogo, com Nilton Santos e Zagallo, teve uma participação decisiva. Nossa enciclopédia marcou o primeiro gol de um lateral em Copas do Mundo. Eles, marcadores, nunca ultrapassaram a linha do meio campo em suas equipes. Quanto mais marcar gols em mundiais.
Já no bi em 62, no Chile, se Garrincha foi decisivo, Amarildo, também atleta alvinegro, teve a mais difícil missão: substituir o Rei Pelé. E o fez com tanta competência que marcou contra a Espanha gols decisivos que nos levaram à final.
E no tricampeonato, no México, onde firmamos nossa hegemonia, o Botafogo nos revelou Paulo Cesar Caju e Jairzinho, que marcou gols em todas as partidas do Mundial. Um recorde absoluto.
Sendo assim, antes de ironizar essa gloriosa estrela solitária, lembrem-se que existem dois países verde, amarelo, azul e branco citado pela história.
O primeiro, que foi descoberto pelos portugueses. O segundo, que o mundo só tomou conta da sua existência quando ganhamos a Copa da Suécia.
"Quem seriam esses seres miscigenados que jogam bola como pintamos quadros, escrevemos poemas, erguemos monumentos?" , disse o Rei da Suécia após levar um banho de bola em sua casa, na decisão.
Pois se Cabral descobriu o Brasil, foi o nosso futebol, carregado de estrelas solitárias, que foi descoberto pelo mundo.
E salve o Botafogo. Que merece nossa admiração e respeito. E vai dar a volta por cima porque foi lá em cima que ele nos elevou.

Por José Roberto Lopes Padilha