ÚLTIMAS NOTÍCIAS
ÚLTIMAS

São José: o sonho da vocação - III

Quarta, 05 de Maio de 2021.

  Concluímos, nessa terceira quarta-feira consecutiva, a rica e comovedora mensagem do Papa Francisco sobre a vocação cristã à luz de “São José: o sonho de vocação”. Nesta o Santo Padre refletiu sobre três categorias que distinguiram a identidade vocacional do castíssimo esposo da Virgem Maria, pai putativo de Jesus e Patrono Universal da Igreja: sonho, serviço e fidelidade. Recordemos que nesse 2021 estamos celebrando os 150 anos de sua proclamação como Patrono Universal da Igreja Católica. Acolhamos o que o Papa Francisco condensa de sua reflexão espiritual e teológica na categoria de fidelidade. Permitamo-nos, auxiliados por “São José: sonho da vocação”, sermos revitalizados na vocação comum de seguidores de Jesus Cristo, na comunidade da Igreja e no serviço aos demais, segundo nossas vocações específicas! E rezemos para que nossos/as jovens respondam corajosa e generosamente à vocação à qual o Senhor lhe chama!
Além da chamada de Deus – que realiza os nossos sonhos maiores – e da nossa resposta – que se concretiza no serviço pronto e no cuidado carinhoso –, há um terceiro aspeto que atravessa a vida de São José e a vocação cristã, cadenciando o seu dia a dia: a fidelidade. José é o «homem justo» (Mt 1, 19) que, no trabalho silencioso de cada dia, persevera na adesão a Deus e aos seus desígnios. Num momento particularmente difícil, detém-se «a pensar» em tudo (cf. Mt 1, 20). Medita, pondera: não se deixa dominar pela pressa, não cede à tentação de tomar decisões precipitadas, não segue o instinto nem se cinge àquele instante. Tudo repassa com paciência. Sabe que a existência se constrói apenas sobre uma contínua adesão às grandes opções. Isto corresponde à laboriosidade calma e constante com que desempenhou a profissão humilde de carpinteiro (cf. Mt 13, 55), pela qual inspirou, não as crônicas da época, mas a vida quotidiana de cada pai, cada trabalhador, cada cristão ao longo dos séculos. Porque a vocação, como a vida, só amadurece através da fidelidade de cada dia.
Como se alimenta esta fidelidade? À luz da fidelidade de Deus. As primeiras palavras recebidas em sonho por São José foram o convite a não ter medo, porque Deus é fiel às suas promessas: «José, filho de David, não temas» (Mt 1, 20). Não temas: são estas as palavras que o Senhor dirige também a ti, querida irmã, e a ti, querido irmão, quando, por entre incertezas e hesitações, sentes como inadiável o desejo de Lhe doar a vida. São as palavras que te repete quando no lugar onde estás, talvez no meio de dificuldades e incompreensões, te esforças por seguir diariamente a sua vontade. São as palavras que descobres quando, ao longo do itinerário da chamada, retornas ao primeiro amor. São as palavras que, como um refrão, acompanham quem diz sim a Deus com a vida como São José: na fidelidade de cada dia.
Esta fidelidade é o segredo da alegria. Como diz um hino litúrgico, na casa de Nazaré reinava «uma alegria cristalina». Era a alegria diária e transparente da simplicidade, a alegria que sente quem guarda o que conta: a proximidade fiel a Deus e ao próximo. Como seria belo se a mesma atmosfera simples e radiosa, sóbria e esperançosa, permeasse os nossos seminários, os nossos institutos religiosos, as nossas residências paroquiais! É a alegria que vos desejo a vós, irmãos e irmãs que generosamente fizestes de Deus o sonho da vida, para O servir nos irmãos e irmãs que vos estão confiados, através duma fidelidade que em si mesma já é testemunho, numa época marcada por escolhas passageiras e emoções que desaparecem sem gerar a alegria. São José, guardião das vocações, vos acompanhe com coração de pai!

Medoro, irmão menor-padre pecador.

Por Padre Medoro