Um Reflexo Turvo e Sombrio Chamado “Suicídio”

Sábado, 14 de Setembro de 2019.

Um Reflexo Turvo e Sombrio Chamado “Suicídio”

O ser humano figura entre as espécies mais complexas e maravilhosas de toda a existência e toda essa infinidade de complexidades por vezes cobra um preço. A mente humana é um universo em expansão extremamente singular e percorre caminhos peculiares, alguns deles saudáveis outros não saudáveis, como são os da tristeza, descontrole, depressão e etc. A Organização Mundial da Saúde (OMS) define saúde como “um estado de completo bem-estar físico, mental e social, não contemplando somente as ausências de afecções e enfermidades”. A OMS tem ampliado a sua visão para fatores importantes como para o “Biopsicossoioespiritual” e entende que são significativos os benefícios da fé na vida do indivíduo. O lado positivo da mente humana é que somos capazes de nos reavaliarmos e nos aperfeiçoarmos fazendo uso de determinadas práticas, destacando-se dentre elas a resiliência. O lado negativo é que algumas pessoas criam ou se afundam nas mais variadas esferas das adversidades. Para muitos falar sobre anomalias como o suicídio é algo infrutífero, semelhante a chover no molhado, sendo algo visto de forma superficial por não doer no próprio calo, mas para outros é motivo de atenção, preocupação, compaixão e prestatividade. Falar sobre o assunto “suicídio” não o estimula, pelo contrário, pode vir a salvar vidas. A comunicação e o diálogo são estandartes valiosos que nos diferencia dos demais animais e nos trás maior racionalidade quando realizados com bom senso e sabedoria. A cada ano milhares e milhares de pessoas tiram a própria vida pelos mais variados motivos, sendo que na maior parte dos casos o acontecido poderia ser evitado. No decorrer da história milhões e milhões traçaram esse caminho sombrio. Uma das fortes bandeiras na luta contra o suicídio é o “Movimento Setembro Amarelo”. No ano de 1994, um jovem americano de apenas 17 anos, chamado Mike Emme, tirou a própria vida dirigindo o seu carro amarelo. Os pais e familiares de Mike deram início a uma campanha de prevenção do suicídio distribuindo “fitas amarelas” e falando sobre o assunto. Não é falta de Deus, frescura, mimo, drama ou querer chamar a atenção, é a demonstração de um pedido de ajuda, um alerta vermelho, um SOS na praia de alguém que vem sofrendo e que precisa de um kit de primeiros socorros. As mais variadas anomalias mentais e sentimentais não escolhem gênero, classe social, raça ou etnias, pois acontece no ser humano que é singular e semelhante. Ao invés de destilar preconceito espalhe amor ao próximo. É preciso mais afeto e efetividade para que exista mais humanidade. O nosso ponto de vista sobre determinada pessoa não influi no que de fato ela é, influencia apenas sobre o que nós percebemos e entendemos sobre o indivíduo, pois existe uma grande diferença entre ver e enxergar alguém. Um dos lugares mais difíceis de estar é o lugar do próximo, pois esse é repleto de espelhos que refletem em si ações que fazemos ou omitimos, porém muitas das vezes dos nossos limitados ângulos somos incapazes de enxergar. Espelhos têm por trás de seus reflexos duras, mas penetráveis hastes de metal capazes de quebrar mais fácil que cristal. Tenha um olhar mais analítico, mais cirúrgico e saiba estender as mãos a quem precisa de ajuda. Saiba que todo ser humano é responsável pelo bem que não faz a si mesmo e a seus semelhantes. Existem pessoas quietas com olhares vibrantes, mentes turbulentas, barulhentas e angustiadas que precisam de ajuda. Quem se omite diante dos sinais de sofrimento alheio vira as costas para o bem de certo modo e é conivente com a dor. O processo de ajudar o próximo de forma voluntária sem esperar algo em troca envolve o “amor” na sua mais pura e bela essência. É preciso lembrar que a solidão, tristeza,depressão, ansiedade e companhia podem ser remediadas com o cuidado alheio, mas são curadas com boas doses de pedidos de ajuda, fé, reflexão, planejamento, amor próprio e ao próximo. Lembre-se que na história “o patinho feio é na verdade um belo cisne”.Compreenda que temos “o poder da decisão” em nossos pensamentos e ações e que as ações são reflexos do espelho da mente. O medo de pensar e agir de forma diferente limita muitas pessoas e as impede de buscar novas alternativas para resolver problemas. Quando os pensamentos são insalubres e o cenário é doente precisamos nos aprofundar nas raízes da doença e fazer mais do que tratar os sintomas com medidas paliativas, precisamos buscar compreender e tratar as causas em prol da cura. Não devemos permitir que o teatro das ilusões e desilusões contamine nossos corações. Busque retirar o que te fere para inserir o que te cura e realize uma transfusão de pensamentos. Seja forte e corajoso. Não se apavore nem desanime.

Por Jhean Garcia
jheangarciadesenvolvimento@yahoo.com


Por Jhean Garcia

B01 - 728x90