Uma mistura grossa de politicagem e economia

Quinta, 18 de Janeiro de 2018.


Uma gestão operacional e estratégica das contas públicas não só do governo federal e de alguns estados e municípios tem revelado que o barco está à deriva, já que vem perdendo o controle, principalmente da evolução de suas despesas correntes, que avança velozmente sobre suas receitas liquidas. Não são poucas as tentativas de acertos dos Manda-Chuva do Planalto em querer arrumar a casa buscando erradamente tirar dos que menos tem para pagar a conta, lentando justificar a gastança e a falta de competência no já cansativo argumento do chamado rombo da Previdência.
Os milhões de reais gastos pelo presidente Temer com parlamentares para blinda-lo dos processos de vários crimes denunciados pela Lava Jato e, os sucessivos pacotes de bondades, anistiando empresários mais ricos do país, dariam para socorrer a `Previdência Social e ainda sobraria uma boa grana.
Sem um tratamento diferenciado e integrado para o equilíbrio fiscal esse governo vai passar sem que tenha dito ao que veio. Existe uma mistura grossa de politicagem e economia. Estão mais preocupados em brigar por uma candidatura à presidência nas eleições desse ano, afoitos e frenéticos, a começar pelo Ministro da Fazenda Henrique Meirelles e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Vejam vocês, amigos leitores, a pretensão de ambos, que nem de longe representam a mudança que os eleitores querem. Para governar o país.
Enquanto isso, cresce as rebeliões em presídios, gigantescas filas nas unidades de saúde, frequentes atrasos nos pagamentos do funcionalismo público dos estados e municípios, além de problemas na segurança têm sido uma constante, Tudo isso, reflete negativamente na vida do cidadão comum que vê a sua qualidade de vida cair sensivelmente. Há que se admitir que vem crescendo as incertezas e mais desalentos sobre o que poderá ocorrer em seu dia a dia.
Vou ficando por aqui..


Por Carlos Letra

B01 - 728x90