Viver Dentro Ou Fora Da Realidade

Por Carlos Bernardo González Pecotche

Quarta, 01 de Maio de 2019.

A propensão ao exagero constitui uma inclinação muito frequente, cuja presença no indivíduo nos faz ver que a imaginação trabalha nele sem o controle das demais faculdades de sua inteligência.
É vista quase sempre nas pessoas de curtos alcances ou escassa cultura, e em suas manifestações existe algo de superestimação de si mesmas.
O exame desta propensão nos mostra o ser que engana a si mesmo, crendo que seus exageros fazem aumentar a força de convicção de suas palavras, sem reparar que essa mesma hipertrofia as expõe a cair no vazio.
A pessoa tende a agigantar o volume das coisas,seduzida pelo afã de impressionar, de assombrar, de chamar a atenção.
No fundo, é um recurso artificioso com que procura suprir a carência de meios para alcançar por via natural o mesmo efeito. Fosse o propenso bom observador, comprovaria quão rapidamente aumenta o número dos que fogem dele, e se dedicaria a fazer algo mais efetivo em proveito de si mesmo.
Quando o exagero deixa de manifestar-se como simples propensão, para estabelecer-se como hábito, a pessoa fala, move-se e atua sob o predomínio da ficção, devendo sofrer continuamente as consequências de viver fora da realidade.
Quem sofre desta propensão experimenta invariavelmente o desejo de ser acreditado e, quando o consegue, sente-se invadido pelaemoçãotorpe evulgarde um triunfo fútil.
Quão oposto é esse estado de ânimo daquele que se desfruta após a eliminação paulatina desta tendência, enquanto se ativam internamente as possibilidades de ser, fazer e possuir, sem que o engano se oponha a isso.
do livro Deficiências e Propensões do Ser Humano, pág. 182
• Reuniões Informativas – 3ª ás 18h e 19h; 4ª feiras às 19h;
• Informações – tel. (24) 988421575– 20307080 (noite)
• www.logosofia.org.br –rj-tresrios@logosofia.org.br

–LOGOSOFIA NO YOU TUBE –
O que é Logosofia?
https://www.youtube.com/watch?v=pTKelzT_ksI

Por Logosofia

B01 - 728x90