Vocação e discernimento

Quarta, 31 de Julho de 2019.

As comunidades de nossa cidade estão vivendo, nas últimas semanas, um belíssimo e alegre clima vocacional com as Missas Novas celebradas pelo neo-sacerdote Padre José Luiz de Oliveira, filho da Comunidade de São Judas Tadeu. A Missão Vocacional, organizada pelas Irmãs Filhas do Divino Zelo, com a participação da Irmãs Filhas de São José e pela Pastoral Vocacional das paróquias de São Sebastião e São José Operário, preparou-nos para a celebração do mês vocacional. Abrimos esse mês celebrando amanhã, 01 de agosto, o Jubileu de Prata de vida consagrada do Pe Gregório Salu, Vigário Paroquial de São Sebastião. Igualmente os 10 anos de Ministério Sacerdotal Pe Waldir Felipe, Pároco de Santo Antônio dos Padres em Paraíba de Sul, no dia 02 de agosto e do Pe Júlio Maia, Pároco de Santa Luzia, no dia 03 de agosto,aos quais, agradecidos, parabenizamos.
O mês de agosto, pois,no Brasil, é dedicado à oração, reflexão e ação nas comunidades sobre o tema das vocações. Instituído em 1981, pela CNBB-Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, em sua 19ª Assembleia Geral, o mês vocacional tem como objetivo principal conscientizar as comunidades da responsabilidade que compartilham no processo vocacional. Este ano, em específico, a temática principal está em sintonia com o 4º Congresso Vocacional do Brasil, a ser celebradoem Aparecida, SP. de 05 a 08 de setembro. O tema “Vocação e Discernimento” e o lema “Vem e segue-me” (Mt 19, 21), extraído do chamado de Jesus aos seus discípulos, escolhidos para esse ano, desejam refletir sobre a necessidade da oração em prol das vocações e acima de tudo expandir a temática para todos os âmbitos eclesiais e sociais.
Sabemos também que cada domingo desse mês é dedicado à celebração de uma determinada vocação. No primeiro, celebra-se o sacerdócio e os ministérios ordenados dos diáconos, padres e bispos; no segundo, o matrimônio junto à vocação para a vida em Família; no terceiro, a vida consagrada dos frades e das freiras, e por fim, no quarto, a vocação para os ministérios e serviçosdos leigos e leigas, na comunidade. Daí, aresponsabilidade de todas as comunidades de criar um ambiente orante pelas vocações para que, cada vez mais nesse mês vocacional,as novas gerações de crianças e jovens sejam despertadas para o chamado que o Senhor da Messe dirige a cada coração.
O Papa Francisco, por ocasião do Dia Mundial de Oração pelas vocações sacerdotais e religiosas,pediu para que a gente“ajude o jovem a fazer um bom discernimento vocacional, porque Jesus o encontra no ordinário da vida”. Aqueles que são chamados devem ter a coragem e audácia de deixar a todos e se colocar no seguimento de Cristo. Isso exige coragem! Certamente o decréscimo no número de vocações, é devido também à falta de fiéis agentes da Pastoral Vocacional para acompanhar e ajudar os jovens no discernimento.
O papa tem deixado claro que a vocação não é um peso, e sim um chamado. Nessa linha o bispo auxiliar de São Paulo e referencial da Pastoral Vocacional, dom José Roberto Fortes Palau afirma que“A vocação não é uma coisa imposta, mas a partir do momento que o jovem faz o discernimento e sente o chamado divino e se ele é bem acompanhado, ele pode depois dar uma resposta corajosa, audaciosa, e é exatamente por isso que a gente precisa trabalhar melhor as nossas comunidades”.
Faço meu, o apelo do Papa Francisco aos jovens: “Não sejam surdos à chamada do Senhor! Se Ele os chamar, não se oponham, mas confiem nele. Não se deixem contagiar pelo medo, que nos paralisa, diante da proposta do Senhor. Lembrem-se sempre que o Senhor promete, aos que deixam tudo para segui-lo, a alegria de uma vida nova, que enche o coração e anima nosso caminho”.
Medoro, irmão menor-padre pecador.

.


Por Padre Medoro

B01 - 728x90