Você sabe o que é marketing de emboscada?

Sábado, 29 de Junho de 2019.

Você sabe o que é marketing de emboscada?

Em meio à turbulência que envolve a política de nosso país, temos visto a temperatura esquentar pelo termômetro da tecnologia: as redes sociais vêm pegando fogo com os últimos acontecimentos: seja para discutir as polêmicas do MEC, a rejeição ao decreto do armamento, a não obrigatoriedade do uso de cadeirinha para crianças em automóveis ou as bombas da Vaza Jato, os internautas seguem em polvorosa. Diariamente, cidadãos contra ou a favor do governo vigente seguem se digladiando, trazendo novos memes e questões ao cenário que segue caótico.
No intervalo, porém, sempre dá tempo de acompanhar os lances paralelos, como a Copa do Mundo de Futebol Feminino da qual, embora nossa seleção tenha se despedido, honrou muito a camisa amarelinha com sua participação.
Pela timeline do Twitter semana passada, por exemplo, entre as manifestações pró e contra Sérgio Moro e Glenn Greenwald, subiu para primeiro lugar nos Trending Topics (tópicos em tendência) a tag #Marta. Isso porque, além de a atleta ter superado Klose e se tornado a maior artilheira em Copas, ela dedicou a conquista a todas as mulheres e jogou a partida inteira com um batom arroxeado, sem passar despercebida.
A iniciativa, por sua vez, trouxe à luz um termo conhecido de poucos, o chamado marketing de emboscada (ou ambush marketing), que nada mais é do que um conjunto de ações paralelas, feitas por uma marca não patrocinadora, em grandes eventos. Neste caso a Avon que, através de Marta, teria pegado carona na Copa do Mundo e divulgado seu produto, embora não seja patrocinadora oficial do evento (e sim da jogadora). Parece mimimi, mas a prática, por lei, pode sim ser considerada ilegal. Isso quer dizer que, se configurada má-fé, a empresa corre o risco de ter problemas e ser obrigada a arcar com multa ou pena de detenção de três meses a um ano para os responsáveis. Um pouco demais, né?
Mas esse tipo de ação, ainda que passe despercebida para alguns, é prática comum. Casos clássicos são o dedinho de comemoração de gol de Romário na Copa de 94 (o qual remetia à propaganda da cerveja Brahma) e as holandesas da Bavaria (mulheres loiras e vestidas de laranja, contratadas pela cervejaria para chamar atenção sobre seu produto na Copa de 2010, enquanto a patrocinadora oficial do evento na África do Sul era a Budweiser). Sutil? Não necessariamente. Tanto que, potencializados pela mídia, os resultados viralizaram.
Como vai ficar o negócio da Marta? Boa pergunta. Para saber, vamos continuar acompanhando as tretas!
#BOMFIMDESEMANA

Por Daniele Barizon

B01 - 728x90