Com o sonho de ser carnavalesco, jovem de Três Rios cria escola de samba de maquete

Império Trirriense irá desfiliar no dia 20 de outubro visando uma vaga no Grupo A

Três Rios - (Cotidiano) - Sábado, 06 de Outubro de 2018.

Com o sonho de ser carnavalesco, jovem de Três Rios cria escola de samba de maquete

Muita gente ainda não sabe, mas nos dias 20 e 21 de outubro de 2018, a partir das 15h acontecerá, na internet, o Desfile das Escolas de Samba de Maquete e um trirriense, Lucas Almeida Silva, de 20 anos, estará na disputa pelo título com seu Grêmio Recreativo Escola de Samba de Maquete Império Trirriense.
Morador do bairro de Vila Isabel, em Três Rios, o jovem, que é torcedor da Tricolorida, cresceu no meio do samba, a mãe (Eloiza Elena) e as tias (Norma Sueli e Maria Luiza – Nuta) sempre desfilaram na Mocidade Independente de Vila Isabel e ajudaram na cozinha, trabalhando no barracão e até mesmo empurrando os carros.
Aos 8 anos, Lucas desfilou pela primeira vez no Carnaval de Três Rios e daí por diante o envolvimento com o samba não parou mais. Além dos desfiles, trabalhou como voluntário em barracão, confeccionou cabeças e chapéus para componentes de escolas da cidade e agora levará um desfile completo para a “avenida virtual”.
“Estava pesquisando algumas coisas no Youtube e vi umas fotos e um vídeo da escola Arco-íris do Pará em forma de maquete e pensei: Vou fundar uma escola! Mandei um e-mail para a coordenadoria da UESM - União das Escolas de Samba de Maquete de São Paulo, expondo sobre meu interesse de montar uma agremiação. Passei por um processo de aprovação, no qual enviei um formulário com as informações da escola, a logo, enredo, sinopse e quatro modelos de fantasia. Todo material foi avaliado e três meses depois fui aprovado”, explicou Lucas.
Em 12 de janeiro de 2018 nascia, da paixão de um jovem pelo samba e pela arte, o Império Trirriense, que tem as cores azul, dourado e branco. Como o Carnaval de maquete é uma releitura do Carnaval real, Lucas ouviu alguns sambas e decidiu pela composição de José Mário de 2016 para o Bom Das Bocas, que apresentou o enredo “A Essência do Samba” do carnavalesco Victor Matheus Vieira, para dar vida ao seu futuro desfile.
O próximo passo foi montar as alas do enredo “Uma viagem imperial as essências do mundo” que tem apelo cultural e é de fácil leitura. A primeira ala a ganhar fantasia foi a “Peste Negra”, que fala do perfume como inseticida, a segunda foi das baianas, que simbolizam as sacerdotisas do templo dos perfumes, a terceira dos “Índios”, que é o perfume no Brasil e quarta ala “Negra” das passistas, representando as essências que os negros trouxeram.
“O Carnaval de maquete funciona da seguinte forma, o carnavalesco pega a ideia do enredo que alguma agremiação já tenha levado para a avenida, modifica a história, as fantasias, os carros e utiliza o mesmo samba. Para fazer “Uma viagem imperial às essências do mundo”, eu pesquisei durante um mês e o Diego Augusto, de Jundiaí (SP), me auxiliou com a defesa das fantasias e o Magno Luís Santos, de Três Rios, me ajudou com os materiais e a montar algumas peças”, contou Lucas.
Para dar vida a agremiação, miniaturas de bonecos e material reciclado de coisas que Lucas tinha em casa, como panos, flores de plástico, pedras, acabamentos a até mesmo fantasia de destaque da Mocidade, viraram roupas e enfeites para a Império Trirriense.
A base dos carros alegóricos é de papelão e isopor e a decoração fica por conta das tintas, penas, efeito de fumaça feito com incenso, luzes de pisca-pisca de Natal e a água veio da bomba de uma fonte decorativa.
“Desde junho eu venho trabalhando na montagem do desfile, são 12 alas cada uma com 12 bonecos, três carros, só o primeiro virá com 21 composições, dois casais de mestre-sala e porta bandeira e a comissão de frente, de oito bonecos,fará uma coreografia inspirada no enredo “Convivium” de 2017 da Rosas de Ouro de São Paulo.
A ImpérioTrirriense, oitava escola a desfila no dia 20 de outubro, às 17h30 com transmissão do site www.uesm.com.br e da página da liga https://www.facebook.com/uesmcarnaval/, levará para o “Sambódromo”180 bonecos de plástico.
“Montei uma pista de isopor com início, meio, recuo e fim na sala da minha casa, a bateria fez o esquenta, retornou, a comissão de frente abriu o desfile, veio as alas e os carros. Tudo isso foi filmado e fotografado de vários ângulos e nos mínimos detalhes. O truque do slowmotion, que consiste em ir virando os bonecos em várias posições para dar movimento como se a escola tivesse evoluindo funciona muito bem. Os carros foram puxados por um fio de nylon e ao passar pela avenida serão vistos tanto de frente, como de lado e atrás”, disse o jovem carnavalesco de maquete.
Para quem pensa que isso tudo não passa de uma brincadeira, com a ajuda do sobrinho de Lucas, foram quatro dias de filmagens e fotografias com direito a recuo da bateria e dispersão da escola, que agora estão sendo editados por Lucas.
Há também regras a serem cumpridas, o desfile tem que ter no mínimo 10 minutos de duração e no máximo 15 minutos. “Coloquei as fotos em sequência, juntei com os vídeos e estou terminando de editar o desfile, tem quatro dias que estou trabalhando nessa fase. Assim que terminar vou postar no canal (GRESM Império Trirriense UESM) que criei no Youtube e enviar o link para a UESM que disponibilizará o desfile no dia 20 no horário marcado.
A UESM conta com três grupos e desfiles realizados duas vezes ao ano. Em abril desfilaram os Grupos Especial e Acesso A, em outubro será a vez das escolas do Grupo B.
As transmissões são feitas com narradores e comentaristas através do site do Facebook da UESM. São 35 escolas de maquete inscritas e as campeãs, recebem premiaçõesque vão desde troféus, medalhas, livros sobre a história do carnaval e fantasias para desfilar no Grupo Especial do Carnaval do Rio de Janeiro.
A apuração Grupo B, a qual o Lucas faz parte, e conta com 16 agremiações, está marcada para o dia 28 de outubro com horário a definir. Neste dia sete escolas irão subir para o Grupo A. O público pode participar através das redes sociais e também dar notas para as escolas.
Para participar não é cobrado nada, a intenção da UESM é descobrir talentos e realizar o sonho da pessoa de ser um carnavalesco (a). Como auxílio, cada escola tem dois coordenadores, no caso de Lucas, ele está sendo acompanhado por Eduardo Wagner de Belém (PA) e Lukas Shultheiss de Vitória (ES), que tiram dúvidas, dão dicas da filmagem e de fantasias.
“Entrei nessa aventura devido ao meu sonho de ser carnavalesco. Com a escola de maquete eu posso desenhar, criar, confeccionar todo o enredo. Aproveitando a oportunidade, agradeço a todos que ajudaram de alguma forma, a Vitória Rodrigues, que me doou material, aos coordenadores, a minha mãe, minha tia Elisa, que me deu material de decoração, a Zezé Cerqueira, onde trabalhei por dois carnavais e aprendi muito, ao meu sobrinho, ao Diego e ao Magno e ao Valdir Belo, que colaborou com a minha "formação" no Carnaval”, destacou Lucas.
O jovem carnavalesco pede que quem puder colaborar doando fantasias ou material para Império Trirriense que entre em contato através do Facebook da escola https://www.facebook.com/imperiotrirriense/. Tudo que for doado será reaproveitado no desfile de 2019 da agremiação.
"Eu já estou pensando no ano que vem. O projeto ainda não tenho, mas será algo relacionado à fé", antecipa Lucas.

Por Aline Carius

Publicidade
728x90
B03 - 300x250