Conheça a equipe trirriense Aventur-Lokas, única representante estadual no brasileiro de rafting

Três Rios - (Esporte) - Sábado, 12 de Setembro de 2020 às 07:00 horas.

Atualizado em Sexta, 11 de Setembro de 2020 às 18:38 horas.

  Conheça a equipe trirriense Aventur-Lokas, única representante estadual no brasileiro de rafting

Você conhece o rafting? O esporte de alta adrenalina é uma atividade onde quatro (R4) ou seis (R6) pessoas descem rios e corredeiras em botes usando apenas os remos para desviar de obstáculos e direcionar o percurso.

E nesse ano de 2020, a equipe trirriense Aventur-LokasRafting representará o estado do Rio de Janeiro no campeonato brasileiro da modalidade. O que começou como uma atividade turística, passou a ser coisa séria, como conta a fundadora e chefe de equipe Verônica Medici.

O começo

“Essa paixão se iniciou ano de 1985. Comecei simplesmente como turista, depois a trabalho acompanhando os grupos, remando apenas para sentir a força da água, a emoção de controlar o bote e, quando tinha necessidade, guiava”.

Em 2001, Verônica montou a primeira equipe feminina de rafting, com amigas que nunca haviam remado, mas que acreditaram e gostaram da ideia. O time participou de alguns torneios, inclusive representando o Brasil, no Mundial do Equador, em 2005.


Depois de uma pausa, já em 2018, a Aventur-Lokas foi criada. “Encontrei novamente algumas amigas loucas que já praticavam o esporte e aceitaram participar de toda alegria, dor, emoção, sacrifício, estresse e muito mais”, disse Verônica.

O time conta com a participação de seis atletas, todas federadas na Associação Brasileira de Rafting e reconhecidas mundialmente: além de Verônica, Rafaela Santos, Bruna Ribeiro, Maria Perez, Marcia Dal Santo e Denise Candatem formam o time. Hoje, a Aventur-Lokas é a única equipe feminina do esporte no estado do Rio de Janeiro.

Por ser uma modalidade que exige muito condicionamento físico, os treinamentos são pesados: “Nada de frescura, unhas quebradas, mão com calos, sede. Mas como diz a Rafa [integrante da equipe], o treino é para morrer”, destacou a chefe de equipe.

Os desafios

Mais da metade do time mora fora da região: duas atletas em Porto Alegre, no RS, uma na capital fluminense e outra em Nova Friburgo. Essa distância traz complicações para os treinos, demandando um investimento financeiro e de tempo.

Outra dificuldade das competidoras é conciliar o trabalho e a vida de pessoal com a prática esportiva e a rotina de treinos. “Elas [as atividades] são marcados de acordo com a disponibilidade de cada uma, pode ser durante a semana, feriado e finais de semana. Mesmo não tendo a equipe completa, treinamos em duas para melhorar a técnica. As atividades, no rios Paraibuna ou Paraíba do Sul, levam de três a seis horas, e tentamos aproveitar ao máximo”.

Outro obstáculo é o recrutamento de novas atletas, como indica Verônica. “A equipe atual conta com atletas já experientes na canoagem e em outras modalidades. Mas a chegada de novas atletas é complicado, já que muitas desistem por ser um esporte radical de alta intensidade, além das dificuldades de conciliar a atividade com a vida cotidiana”.

Entretanto, o maior desafio enfrentado pela equipe é patrocínio para as disputas, não só das três etapas da competição nacional, mas também para o Mundial. “Para o Brasileiro de 2020, conseguimos vender umas camisas e ganhamos uniforme. Também temos o apoio de algumas empresas da região, que acreditam na nossa equipe, conhecem nossas dificuldades e sabem o retorno que oferecemos, pois somos um ‘outdoor’ nas águas”, destacou.

Campeonato Nacional

O Campeonato Brasileiro de Rafting geralmente é dividido em três etapas, sendo realizadas em três estados diferentes e em três rios distintos. Em virtude da pandemia, a edição deste ano aconteceria em uma única etapa, no mês de setembro, na cidade de Juquitiba, em SP.

No entanto, com a entrada do estado paulista na bandeira amarela, o evento chegou a ser cancelado. Então, a Confederação Internacional de Rafting anunciou a realização do evento, que serve como sistema qualificatório: fase obrigatória para que as equipes nacionais participem das competições internacionais.


Após essa decisão, o Campeonato Brasileiro foi remarcado para acontecer de 1 a 4 de outubro no Rio Jacaré Pepira, na cidade paulista de Brotas, valendo vaga para o Pan-Americano, que será realizado na Costa Rica, e para o Mundial de 2021. A Aventur-Lokas confirmou a participação de cinco integrantes, que disputarão na categoria R4.

No cenário internacional, a equipe masculina de Brotas, BozoDÁgua, conquistou oito vezes o campeonato mundial.

Ficou interessado?

Para quem tiver o interesse de fazer o rafting como turista basta entrar em contato com a Empresa Aventur Turismo, que organiza o esporte para iniciantes no Rio Paraibuna e no Rio Paraíba do Sul, em Sapucaia.

Já o rafting esportivo com equipe é mais complexo, precisando de treinamentos, ser filiado à Associação Brasileira e ter mais de 18 anos. Lembrando que são necessárias, no mínimo, cinco pessoas para uma equipe. Além disso, equipamentos de segurançacolete, capacete, cabo de resgate, flipline, faca são sempre obrigatórios, além dos remos.

Por Patryck Leal

Por Redação

Crédito da Foto: Reprodução

Publicidade