Fazenda Velha mantém a tradição e é pura alegria pelas ruas de Areal

Fundado pelo saudoso Jorge Sanseverino, bloco já usou até instrumentos da Banda de Ipanema

Areal - (Entretenimento) - Quinta, 20 de Fevereiro de 2020 às 07:00 horas.

  Fazenda Velha mantém a tradição e é pura alegria pelas ruas de Areal Fundador do bloco, Jorge Sanseverino deixou saudades


Fundado pelo saudoso Jorge Sanseverino e seu amigo Águia, em 1992, o Bloco da Fazenda Velha, ao longo de toda a sua gloriosa história, fez a alegria do carnaval pelas ruas do município de Areal. Com o falecimento de seu fundador Jorge Sanseverino em 2018, o bloco não desfilou naquele ano e em 2019, mas, esse ano o Fazenda Velha retorna à avenida com ainda mais ânimo e alegria.
Os ensaios têm acontecido na Associação Atlética Arealense e, pelo que se vê, os foliões estão animadíssimos para o desfile que vai acontecer na segunda-feira (24) de carnaval, às 19 horas, saindo da Associação Atlética Arealense e carregando centenas de pessoas até a Barateza, onde ficam arquibancadas e o palco dos shows carnavalescos da cidade.
Segundo Jorginho Sanseverino, filho do patriarca da agremiação, tudo começou com seu saudoso pai e o amigo Águia, em 1990. O grupo, além dos dois citados, tinha ainda o Hugo, Berico, Paulo César, Nelsão, Dadica, amigos que levaram os primeiros instrumentos, que pertenciam a Banda de Ipanema e que ficavam guardados no Bar Garota de Ipanema.
O patriarca do Fazenda Velha treinou a própria família para tocar os instrumentos. Os filhos Jorginho e Bruno, os sobrinhos Magno, Batuta, Junior e Gonzaga se afinaram com as peças. Enfim, uma tradição familiar que deu origem e impulsionou a tradicional agremiação.
Conta ainda Jorginho, que o Mestre Jorjão, da Amazonas, por vezes dava cartão vermelho para quem tocasse mal algum instrumento da bateria.
Outro personagem importante na história do bloco é Tia Zenaide, que sempre formou e organizou a ala da famíia, unida e feliz na folia arealense. Zenaide guarda na memória muitas histórias do Bloco da Fazenda Velha e divide os momentos com a neta Carol, de 16 anos, que nasceu e cresceu vivendo nesse ambiente de folia familiar da agremiação.
A primeira porta bandeira foi a Nininha, ex-esposa do Jairo Brasiliano, o Jairão, que era o grande amigo e ‘irmão’ do saudoso Jorge Sanseverino. Jairão até ganhou samba em sua homenagem, é o que contam os remanescentes do bloco cuja primeira rainha de bateria foi a Paulinha, uma sobrinha do fundador, de Três Rios.
Jorge Sanseverino deixou saudades a todos os envolvidos com o Fazenda Velha, do qual era um grande entusiasta. Era uma espécie de faz tudo: compunha, bolava as camisas, escolhia os enredos e sempre perdia noites de sono. Contam que durante um mês antes da folia o saudoso patriarca só falava em carnaval.
Seu Jorge nunca faltou a um ensaio e foi o responsável pela ponte de amizade que sustenta o Fazenda Velha desde então. E para prestigiar o bloco chegava gente de longe. Iam amigos de Ipanema, de toda a Região Serrana fluminense e até de outros estados.
“Mais que um bloco, fazemos um encontro. E como tem história...”, comenta Jorginho.
Vale ressaltar que o Fazenda Velha é também um grande palco para os artistas locais, que são sempre prestigiados.
No desfile desse ano o bloco terá André do Baixo, Nelsinho na guitarra, duas crianças que vão tocar e mostrar um talento admirável, uma grande surpresa para esse carnaval 2020. A ideia é revelar artistas de Areal, como aconteceu com Bernardo Ritto, que desde criança é o intérprete do Fazenda Velha.
A bateria vai estar sob comando de Mestre Aylton, do Gaby. “É o cara da bateria! Ele é o grande apaixonado por carnaval. A galera vem com um ritmo novo este ano. Espero que dê certo. Somos agradecidos à bateria da Rua Amazonas, ao Bloco da Amazonas, assim como os amigos do Gaby. Humildemente, o bloco da Fazenda Velha depende dos irmãos e amigos de Areal. O pessoal do Amazonas e Gaby são nossos irmãos. Somos uma pequena rede de pessoas que se mobiliza. Esta semente foi plantada pelo Jorge Sanseverino, pai. A amizade é a nossa guia. Sempre na segunda, às sete da noite, amigos que não se veem há anos irão se reencontrar sob as bençãos do nosso patriarca, Jorginho Sanseverino pai”, finaliza emocionado Jorginho; com a certeza que a tradição e a alegria do Bloco da Fazenda Velha ainda estarão presentes no carnaval de Areal por muitos anos.

Por Redação

Publicidade