Festa de entrega do Troféu Ziriguidum será dia 22 na Mocidade

Três Rios - (Entretenimento) - Sexta, 08 de Fevereiro de 2019.

Festa de entrega do Troféu Ziriguidum será dia 22 na Mocidade

Acontece no próximo dia 22 de fevereiro (sexta-feira), a partir das 22h, na quadra da escola de samba Mocidade Independente de Vila Isabel, a 16ª Festa de Entrega do Troféu Ziriguidum aos melhores do Carnaval de Três Rios (Grupo A/ 2018).
O show da noite fica por conta da anfitriã com todos os seus segmentos embalados pelo ritmo de sua bateria Explosão, sob o comando de Mestre Ni. A bateria da Mocidade é a recordista de troféus em sua categoria e acumulou sua 8ª conquista ano passado (2010, 11, 13, 14, 15, 16, 17 e 18).
Os 12 julgadores que atuaram ano passado no camarote do Entre-Rios Jornal foram: Atagibe Massasseci (Binha), Nilma Guimarães Cabral, Raphael Arruda Miranda, Francisco Carlos Soares (Cinquenta), Suely Santiago, Maria Haydeé Almeida, Luiz Cesar Serva, Marco Lazarini, Alcione Costa, Alexandre Menezes Azevedo, Guilherme Alves e Sergio Luiz Paduan Ferreira. Além dos internautas que puderam participar na escolha de 22 das 24 categorias (exceto Prêmio Especial e Revelação).
Segundo o diretor-presidente do Entre-Rios Jornal, José Romildo Pontes de Souza, o troféu premia o talento e a arte do sambista trirriense. "É sempre um prazer contemplar os segmentos agraciados com o Ziriguidum, que já se tornou uma premiação tradicional no carnaval de Três Rios", disse.
Os ingressos custam R$ 5 (preço único).

Sucesso desde 2003

Na época em que a premiação surgiu, em 2003, não existia a divisão de grupos entre as escolas de samba. Segundo Fernando Ferreira de Oliveira, idealizador e coordenador da premiação, em 2002, o então diretor-presidente do Entre-Rios Jornal, José Rubem Pontes de Souza – o Rubinho, queria algo que movimentasse e incentivasse ainda mais o carnaval trirriense, que acabava de retornar com força total. Daí, Fernando sugeriu uma premiação, a exemplo do Estandarte de Ouro, do Jornal O Globo, onde um júri premia os melhores do desfile do Grupo Especial. O nome Ziriguidum foi sugerido pelo próprio Fernando Ferreira, atual editor-chefe do Entre-Rios Jornal, carnavalesco e que apresentou pela Rádio 87 FM o programa que levava o nome “Ziriguidum”, a primeira inspiração para o nome do troféu. No dicionário,”ziriguidum” é uma onomatopeia, que imita o som da percussão no samba, mas que também significa molejo, traquejo, ritmo, no sentido musical. Além disso, Fernando Ferreira havia feito em 2002, na escola de samba Independente do Triângulo, o enredo “Nosso Ziriguidum Tem Sambista Maneiro”, numa homenagem ao radialista e colunista Selmarino, o Sambista Maneiro, que em suas colunas sobre samba e carnaval, ainda na década de 1970 e 1980, no extinto jornal O Cartaz, se referia ao samba trirriense usando o termo “ziriguidum paroqueano”. De lá pra cá, a premiação passou a ser referência entre os sambistas da cidade, sendo considerada uma espécie de “Oscar” do Carnaval”. O primeiro troféu foi feito de forma artesanal pelo próprio organizador. A partir de 2004 foi adotado um modelo idealizado pelo ex-fotógrafo do Entre-Rios Jornal, Jorge Cácio Barbosa – o Careca. Desde 2013, foi adotado o modelo atual, com design baseado na galeria de troféus da Acrílicos Penedo, fábrica sediada em São João do Meriti. Todo ano, além do layout do selo da premiação, Fernando Ferreira cuida da criação das camisas usadas pelos jurados e pela equipe de reportagem, que leva a mesma arte dos troféus. Para os jurados são entregues pastas contendo o material enviado pelas agremiações contendo informações sobre o desfile (roteiro, sinopse e histórico do enredo, ficha técnica, letras dos sambas de enredo) e algumas indicações para os troféus de Revelação e Prêmio Especial. Segundo ainda Fernando Ferreira, ele mesmo selecionava o júri com aprovação final da direção do jornal.

Confira os premiados no Carnaval 2018:

Melhor Escola: Bom das Bocas - Enredo: "Tesouros de um Rei chamado Chico", presidente Valdô Santos, carnavalesco Junior Pernambucano
Melhor Samba de Enredo: Bom das Bocas - "Tesouros de um Rei chamado Chico", compositores: Mr. Francis, Tuninho Azevedo, Regina Xavier, Guilherme Baracho, Jorge Assumpção, Geraldo Lourenço, Bill, Roberto Borboleta, Markão Melodia, Almir Há Há, Rodrigo Ferraz, Celso Tropical, Cleiton Antônio e Jarbinha.
Melhor Enredo: Bom das Bocas - "Tesouros de um Rei chamado Chico". Enredo do carnavalesco Junior Pernambucano
Melhor Bateria: Mocidade Independente de Vila Isabel, Bateria Explosão sob o comando de Mestre Ni
Melhor Primeiro Mestre-Sala: Em Cima da Hora - Jose Ricardo de Oliveira Silva
Melhor Primeira Porta Bandeira: Em Cima da Hora - Grace Kelly Aparecida dos Santos Silva
Melhor Segundo Mestre-Sala: Bom das Bocas - Danilo Santos Ferreira da Silva, fantasia "Festejos"
Melhor Segunda Porta Bandeira: Bom das Bocas - Cristiane Corrêa Santos, fantasia "Festejos"
Melhor Ala das Baianas: Bambas do Ritmo, fantasia: O alento da Mãe Negra. Diretora da ala: Marivone Moraes
Melhores Intérpretes: Bom das Bocas - Zé Bola e Mário Sempre Samba
Melhor Comissão de Frente: Bambas do Ritmo, Coreógrafo: Carlos Henrique Bonforte. Representação: "A Utopia Original"
Melhor Ala Mirim: Bambas do Ritmo - fantasia: "O Coração de Deus". Diretoras da Ala: Cristiane e Rosimar Souza (Gugu)
Melhor Ala: Bom das Bocas - Ala do Tatu, fantasia: "Admirável Mundo Novo"
Melhor Passista Masculino Adulto: Bambas do Ritmo - Felipe Pinheiro (ala de Passistas com a fantasia Colonos de Santa Cruz)
Melhor Passista Feminino Adulto: Bambas do Ritmo - Fernanda Ladislau de Andrade (ala de Passistas com a fantasia Colonos de Santa Cruz)
Melhor Alegoria: Bom das Bocas - Carro Abre-Alas - "O Navio Negreiro"
Melhor Destaque de Luxo Feminino: Bom das Bocas - Rita, fantasia: "O Ouro Sagrado ", no 3º carro alegórico "A mina de Chico Rei"
Melhor Destaque de Luxo Masculino: Bom das Bocas - José Carlos Tal´s, fantasia: "A Força da Ancestralidade", no Carro Abre-Alas "O Navio Negreiro".
Prêmio Especial: Bom das Bocas - Tia Lúcia, grande baluarte da escola na quadra e na avenida
Revelação: Bom das Bocas - Diretor de Carnaval Guilherme Novaes
Melhor Velha Guarda: Bambas do Ritmo, fantasia: "Brasilíndios". Diretora: Rosimar Souza (Gugu)
Melhor Passista Mirim Masculino: Mocidade Ind. de Vila Isabel - Gabriel
Melhor Passista Mirim Feminino: Em Cima da Hora - Ketleyn Yara de Paula Nazario
Melhor Rainha de Bateria: Bambas do Ritmo - Jô Saldanha, fantasia "O Poderio Lusitano"

Por Redação

Publicidade
AMARO 728x90 17C12
200 produtos com 50OFF - 300x250