Mais de 59 mil casos de câncer de mama serão diagnosticados em 2019 no país

Estado do Rio - (Saúde) - Terça, 01 de Outubro de 2019.

Mais de 59 mil casos de câncer de mama serão diagnosticados em 2019 no país

Mais de 59 mil casos de câncer de mama devem ser diagnosticados no Brasil até o final de 2019. A estimativa do Instituto Nacional do Câncer foi apresentada nesta segunda-feira (30) durante o lançamento das atividades da campanha Outubro Rosa - dedicada à prevenção do câncer de mama - realizada pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). Primeira vice-presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj), Célia Regina da Silva afirmou ainda que cerca de 28% dos pacientes vão a óbito.
Célia ainda destacou que os números do Rio de Janeiro não são bons e que o estado precisa avançar em políticas públicas de prevenção e combate ao câncer de mama “Infelizmente o Rio ainda é o estado em que as mulheres demoram mais para começar o tratamento depois de serem diagnosticadas com câncer”. A médica ainda lembrou que desde 2012 o país conta com a Lei Federal 12.732 que garante ao paciente com câncer o direito de se submeter ao primeiro tratamento no SUS, no prazo de até 60 dias contados a partir do dia em que for assinado o diagnóstico. No entanto, segundo ela, a norma não funciona no Rio de Janeiro.
De acordo com o diretor da Sociedade Brasileira de Mastologia da Regional do Rio de Janeiro (SBM-RJ), Aleksandr Miyahira, no Rio, cerca de 15% das mulheres diagnosticadas recebem atendimento dentro do prazo previsto em lei. O médico ainda informou que a falta de profissionais nos hospitais de referência dificulta o diagnóstico e o início do tratamento. No Inca, em 2014 havia 21 mastologistas, mas atualmente o hospital conta com sete profissionais. “Há um sucateamento da rede de atendimento e a falta de estrutura tem sobrecarregado os médicos, o que no final só prejudica as mulheres que correm contra o tempo em busca de tratamento. É preciso abrir mais concursos e contratar mais médicos”, pontuou.
O secretário de Estado de Saúde, Edmar Santos, disse que a pasta está comprometida com a causa e que desde janeiro tem buscado políticas de cooperação que garantam o acesso a mamografia, e que tem investido junto aos municípios na atenção primária, o que, segundo ele, aumenta a chance do diagnóstico precoce. “Estamos fazendo todo um esforço para melhorar o nosso atendimento nessa área. Estamos mudando todas as nossas UPAs e elas vão passar a contar com um espaço para realização de exames para diagnósticos de câncer”, afirmou Edmar.

Capacita Mulher

Durante à tarde mais um debate sobre controle e prevenção de câncer de mama aconteceu na Alerj, como parte da campanha lançada nesta segunda-feira. A epidemiologista, Maria Beatriz Kneipp Dias, ressaltou que é possível reduzir os riscos de câncer de mama. Segundo ela, até um terço dos casos poderia ser evitado. "Manter o peso corporal adequado, praticar atividade física, evitar o consumo de bebidas alcoólicas são ações que podem ajudar a evitar a doença", disse.
De acordo Maria Beatriz, a Organização Mundial de Saúde recomenda que a mamografia de rotina seja para as mulheres de 50 a 69 anos a cada dois anos. "A mamografia nessa faixa etária feita de dois em dois anos são rotinas adotadas na maioria dos países que implantaram o rastreamento organizado do câncer de mama e baseiam-se na evidência científica do benefício dessa estratégia na redução da mortalidade nesse grupo e no balanço favorável entre riscos e benefícios", explicou. Por Buanna Rosa/ Ascom Alerj

Por Redação

Crédito da Foto: Suellen Lessa

Publicidade
160X600jpg