Operação “Eu que Lute” resulta em quase 15 prisões em Paraíba do Sul

O resultado além das prisões foi a desarticulação do tráfico de drogas na localidade

Paraíba do Sul - (Polícia) - Sexta, 13 de Março de 2020 às 07:00 horas.

  Operação “Eu que Lute” resulta em quase 15 prisões em Paraíba do Sul Foi realizada nesta quinta-feira (12), em Paraíba do Sul, a operação “Eu que Lute” que resultou em 14 prisões e na apreensão de armas e drogas.
A operação teve como finalidade combater um grupo criminoso que atua na cidade, principalmente na localidade conhecida Ladeira Curupati (com atuação também em outros bairros como Santo Josefa e Limoeiro). A minuciosa investigação apontou que este grupo tem ligação com a facção criminosa Comando Vermelho e busca se estabelecer como uma ramificação desta facção na cidade. O líder da associação investigada é um homem de 31 anos que já está preso pela prática de delitos relacionados ao tráfico de drogas. Agora, segundo a polícia, de dentro do sistema penitenciário, através do uso de telefone celular e das informações passadas aos visitantes, ele coordena as atividades criminosas do grupo investigado, bem como articula a movimentação de traficantes de favelas do Rio de Janeiro para Paraíba do Sul.
A investigação teve início em dezembro de 2019, quando o corpo de um jovem de 22 anos foi achado abandonado na área rural da cidade com sinais de tortura e diversas marcas de tiro. Durante as apurações deste homicídio, os investigadores apuraram que a vítima teria vindo de uma favela da capital do Estado para auxiliar no gerenciamento do tráfico, seguindo as diretrizes do traficante de Paraíba do Sul que estava preso. Através da apreensão de um caderno com anotações do tráfico de drogas no bairro Parque Morone, os agentes descobriram que dias antes de morrer a vítima havia recebido uma arma e um grande carregamento de entorpecentes, que ela havia enterrado em um morro. Também foram encontrados indícios de que a vítima teria sido executada por alguns de seus próprios comparsas.
Com o aprofundamento das investigações, foi verificado que um indivíduo de 32 anos também havia sido enviado para atuar a cidade de Paraíba do Sul, e ele usava um carro roubado, um Ecosport Branco, que o grupo chamava de “carro do bicho”, que era usado para transportar as drogas. Esse homem foi preso em flagrante no dia 16 de janeiro de 2020 às margens do rio, no Bairro santa Josefa. Com ele foram encontradas uma mochila, na qual havia substancial quantidade de drogas, além de uma arma de fogo. Ele estava acompanhado de um comparsa, que conseguiu fugir nadando no rio. No dia seguinte, 17 de janeiro, policiais localizam e apreenderam o veículo Ford Ecosport, sendo que a chave foi encontrada na casa do pai do homem preso no dia anterior. A perícia constatou que o veículo tinha marcas recentes de sangue no banco traseiro.
Os investigadores também identificaram que o grupo estava sendo gerenciado por uma mulher de 19 anos que era namorada do chefe (que está no presídio). Essa mulher foi presa no dia 26 de janeiro de 2020, quando o “QG” do grupo foi identificado no bairro Ladeira do Curupati e lá os policiais a encontraram com uma arma, munições, dinheiro, drogas e uma lista que detalhava a contabilidade do tráfico. Quatro dias depois, na mesma localidade, os policiais outros dois integrantes do grupo, de 22 e 32 anos, foram presos em flagrante com drogas. Eles estavam com um menor, de 15 anos, também foi apreendido.
Com base em todas as informações colhidas através de um trabalho integrado das polícias Civil e Militar, a Delegada de Polícia da 107º DP representou pela expedição de mandados e prisão temporária contra integrantes do grupo investigados, mandados estes que foram expedidos pela Justiça. Outros dois suspeitos de integrar grupo investigado já estavam com mandados em aberto, sendo um por roubo e outro por tráfico de drogas.
Assim, para o cumprimento desses mandados de prisão será realizada operação “Eu que Lute” na manhã desta quinta-feira (12), em uma ação conjunta das polícias Civil e Militar (107ª DP e 38º BPM).
Durante a operação foram presas 14 pessoas e foram apreendidos uma arma, dois carregadores, munições, quatro cargas de drogas contendo no total 275 pinos de cocaína.
O nome da operação tem origem em uma expressão popular na internet, que é usada quando há algo a ser conquistado com dificuldades. A ação foi batizada com esse nome para enfatizar o duro e contínuo trabalho das forças policiais para frear o avanço de organizações criminosas em cidades do interior.

Por Redação

Crédito da Foto: Divulgação 107ª DP

Publicidade