Overdose: o excesso que pode levar à morte

No último sábado (23), o mundo perdeu um grande talento da música: a cantora britânica Amy Winehouse. A suspeita é que Amy, 27 anos, tenha mo

Três Rios - (Mundo) - Terça, 26 de Julho de 2011.

No último sábado (23), o mundo perdeu um grande talento da música: a cantora britânica Amy Winehouse. A suspeita é que Amy, 27 anos, tenha morrido vítima de overdose, já que a artista tinha um longo histórico de envolvimento com álcool e drogas.
Assim como Amy Winehouse, muitas outras celebridades tiveram suas mortes relacionadas à overdose, como Elvis Presley, Michael Jackson, Janis Joplin e Cássia Eller.
A overdose é uma das principais causas de morte entre os dependentes químicos. Otermo é utilizado para indicar o consumo de doses elevadas de uma ou mais substâncias químicas, lícitas ou ilícitas, tais como: drogas de abuso, medicamento, álcool, ou alguma outra substância.
- A heroína, o crack e a cocaína são as principais responsáveis pela overdose por drogas ilícitas. No entanto, é preciso ter muito cuidado com a ingestão de outras substâncias. O uso em excesso da anfetamina - medicamento muito utilizado por quem deseja emagrecer - por exemplo, pode levar à morte – declarou o psiquiatra do Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Outras Drogas (CapsAD) de Três Rios, Luis Otávio Pinheiro Lima.
A dosagem excessiva ocorre quando a quantidade de substância consumida pelo indivíduo é maior à que o organismo consegue metabolizar – decompor e eliminar. Quando a ingestão é maior que a velocidade de metabolização, há um acúmulo de substâncias tóxicas (intoxicação) no organismo.
- Em decorrência do uso, o dependente químico desenvolve a tolerância à droga, ou seja, a dose que ele ingeria inicialmente já não é suficiente para surtir o mesmo efeito que se tinha no começo. Com isso, o indivíduo passa a consumir quantidades cada vez maiores, em busca da sensação de bem-estar e prazer proporcionada pela droga – disse o psiquiatra.
O uso excessivo dessas substâncias debilita o organismo, provocando efeitos adversos que podem provocar parada cardíaca ou respiratória, causando graves conseqüências ao indivíduo, inclusive a morte.
As reações da overdose variam conforme o tipo e quantidade de droga ingerida, vias de administração utilizada, procedência da droga e condição física e psicológica do indivíduo.
Dentre os sinais da dosagem excessiva, estão: alterações no ritmo cardíaco, mudanças no nível de consciência, falta de ar, agitação ou sedação extrema, vômito com sangue, salivação excessiva, suor abundante, pupilas dilatadas.
 
Crack: uma droga em ascensão
 
Entre tantas drogas, o crack é a que mais vem se alastrando nos últimos anos. Mais barato e acessível que outras drogas, seu consumo cresce assustadoramente. Um levantamento feito pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) com 3.950 cidades brasileiras - ou 71% do total - revelou que o crack já chegou a 98% das cidades analisadas. De acordo com o psiquiatra Luis Otávio, os usuários do crack têm predominante entre 15 e 35 anos.
A pedra de crack é obtida a partir da mistura de cocaína com bicarbonato de sódio e água. Sua forma sólida permite que a droga seja fumada. O usuário queima a pedra de crack em cachimbo e aspira a fumaça. Esta atinge rapidamente o pulmão, entra na corrente sanguínea e chega ao sistema nervoso central, provocando uma sensação de intensa euforia e autoconfiança. A ação do crack no cérebro dura entre cinco e dez minutos.

- O crack é altamente destrutivo e pode provocar a dependência desde o primeiro contato do usuário com a droga – afirmou o psiquiatra.

Por Redação

Publicidade
4 itens por 199
160X600jpg