Prefeito de Miguel Pereira tira do papel Condomínio Industrial e traz duas novas empresas para gerar

Miguel Pereira - (Cotidiano) - Terça, 18 de Dezembro de 2018.

Prefeito de Miguel Pereira tira do papel Condomínio Industrial e traz duas novas empresas para gerar

O Condomínio Industrial de Miguel Pereira começou a ser criado em 2006 com sua desapropriação. Em 2008 teve sua pedra fundamental colocada, mas nenhum dos governos municipais conseguiu tirar do papel. Porém, em dezembro de 2018, 12 anos após a desapropriação, ele vai enfim ter destinação adequada e dentro dos critérios do município, que tem o 3º melhor clima do mundo.
O prefeito André Português e os empresários Raul Barrozo e Rogério Oliveira, sócios da Ampèria, assinaram contrato de concessão da área, localizada no Condomínio Industrial de Miguel Pereira, por 20 anos, renováveis por mais 20, para a instalação de usina solar fotovoltaica; na verdade, serão duas usinas na mesma área.
A Ampèria, que já possui investimento na cidade e é proprietária da CGH Santa Branca, trabalha para ampliar negócios na área de energia solar, e em especial em Miguel Pereira, tendo como foco a geração distribuída. Os novos investimentos na cidade podem chegar na ordem de 40 milhões de reais em um ano, 8 milhões na primeira fase, na montagem da 1ª Usina Solar Fotovoltaica (Usina Brisa), e o restante na segunda fase, com a 2ª Usina Sambaquis.
As projeções não têm dúvidas em apontar o crescimento acelerado da geração solar fotovoltaica no mercado mundial. Com foco na expansão da fonte no país, a Ampèria, empresa comercializadora e geradora de energia renovável, também aposta no potencial de negócios que esse segmento pode gerar. Por essa razão, está investindo em duas usinas de geração fotovoltaica no município de Miguel Pereira, no estado do Rio de Janeiro.
As usinas Brisas (1ª fase) e Sambaquis (2ª fase) serão implantadas com uma potência instalada inicial de 1.500 kW, o equivalente a cerca de 2.000 residências. As duas usinas juntas irão gerar 3.000.000 kWh em um ano, com a instalação de mais de 4.500 placas de geração fotovoltaica. A energia produzida tem como destino o segmento de geração distribuída, um caminho natural para a expansão do mercado da Ampèria. Com parque gerador próprio, a Ampèria conta com um forte diferencial competitivo, tendo condições de oferecer aos clientes contratos mais flexíveis, com melhores condições de preço e de prazo.
No caso da geração solar fotovoltaica, a expectativa é que ela tenha um forte crescimento nos próximos anos. A previsão da Associação Brasileira de Energia Solar (Absolar) é que esse tipo de fonte de energia atinja, até o final do ano, uma base instalada de 2,5 mil MW.
Segundo números da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) de outubro, atualmente 2.257 usinas solares fotovoltaicas estão em operação, com 1,5 mil MW instalados, o que representa apenas 0,87% da capacidade do país. Outros 29 projetos estão em construção, com 800 MW, e 52 foram outorgados, com 1,4 mil MW.
Segundo o prefeito André Português, “o projeto vai colaborar com o crescimento da cidade já que destinaremos a preferência aos consumidores de energia do município. Estou muito feliz em dar uma destinação adequada e correta ao Condomínio Industrial, contribuindo para geração de energia limpa e ecologicamente correta, bastante afinada com o perfil de nossa cidade, que é o terceiro melhor clima do mundo”.
"Depois de vários convites do prefeito André Português para investirmos na cidade, finalmente esse dia chegou, estamos utilizando o que há de mais moderno nessa nova usina de Miguel Pereira, inclusive com controle feito no local e de forma assistida por dados enviados via satélite em tempo real para nossa sede no Centro do Rio. Estamos tendo total apoio do prefeito e queremos que essa parceria continue por muitos anos”, disse Romulo Boaventura da Ampèria.

Sobre a Ampèria

Com 10 anos de mercado, a Ampèria atua nos segmentos de comercialização e geração de energia renovável. A empresa conta com 100 MW em fase de projetos, em instalação e em operação. O portfólio é formado por usinas eólicas (71,4 MW), solares fotovoltaicas (15 MW), oito centrais geradoras de hidroeletricidade (CGHs - 11,6 MW) e a biogás (2 MW). A Ampèria também atua nos segmentos de eficiência energética e gestão da iluminação pública, oferecendo ao mercado uma série de serviços e soluções. Assessoria PMMP

Por Redação

Crédito da Foto: Divulgação PMMP

Publicidade
160X600jpg