Prefeito Flávio do Açougue quase agride vereador durante audiência pública em Areal

Assessores do governador Wilson Witzel foram impedidos de falar sobre implantação de uma escola cívico-militar no município e sofreram constrangimento

Areal - (Política) - Terça, 17 de Dezembro de 2019 às 09:00 horas.

  Prefeito Flávio do Açougue quase agride vereador durante audiência pública em Areal Prefeito Flávio do Açougue (foto) foi contido por policiais quando se dirigiu ao vereador Gutinho Bernardes


 

No dia 5 de dezembro (quinta-feira), aconteceu na Escola Municipal Joaquim Vital Vieira, em Areal, uma audiência pública sobre a implantação de uma escola cívico-militar no município, que contou com a presença do Prefeito de Areal, Flávio Magdalena Bravo (Flávio do Açougue) com seus assessores, vereadores, além de representantes da sociedade arealense.

A audiência pública foi solicitada em novembro pelo vereador Gutinho Bernardes, também atendendo a pedidos de pais de alunos interessados em ingressar na escola cívico-militar.

O projeto do Governo Federal vem sendo abraçado com grande expectativa pela população fluminense, uma vez que a implantação da escola cívico-militar acontece em estabelecimentos de ensino desativados ou que possam vir a ser desativados.

O vereador Gutinho Bernardes esteve presente na audiência pública e quando os assessores do governo do estado, representando o governador Wilson Witzel, foram fazer o uso da palavra, foram impedidos pelo prefeito Flávio do Açougue. Segundo informações, os assessores sofreram constrangimento em atitude considerada deselegante por parte do chefe do executivo que duvidou dos assessores informando naquele momento que não havia sido comunicado da presença dos representantes do governador. Algumas pessoas que estavam no local informaram que os assessores foram destratados pelo chefe do executivo.

Num dado momento, quando os assessores se retiravam do estabelecimento juntamente com o vereador Gutinho, o prefeito se dirigiu ao vereador de forma agressiva, sendo imediatamente contido por policiais militares que se encontravam no local e impediram um desfecho ainda pior.

No dia seguinte ao lamentável fato ocorrido, o vereador Gutinho Bernardes postou um vídeo pelas redes sociais, esclarecendo a população sobre o episódio: "Eu apresentei os assessores ao prefeito da cidade e ao secretário Municipal de Educação e nos colocamos ali ao lado da audiência para acompanhar o desenrolar daquela tragédia que a gente viu. Muita ofensa, muita gritaria, pouco avanço, pouco diálogo; mas em determinado momento populares pediram que os representantes do governo do estado falassem sobre a implantação da escola cívico-militar no município. O prefeito ainda questionou a legitimidade deles e chegou a pedir que eles provassem que realmente eram assessores do governador", comentou em vídeo postado nas redes sociais o vereador Gutinho. "Lamentavelmente a gente perde e o município perde, com essa falta de diálogo, com essa postura autoritária. Mas nós vamos continuar buscando uma solução para a implantação desse projeto em Areal. Acreditamos sempre no diálogo; na violência e agressões jamais", concluiu Gutinho.

A forma deselegante com que o prefeito reagiu repercutiu negativamente pelas redes sociais com diversos comentários em favor do diálogo em prol do município de Areal, condenando a postura inadequada de Flávio do Açougue diante das demais autoridades e de populares que participavam da audiência pública.

Nossa redação tentou contato com a Prefeitura de Areal através de telefone e e-mail, mas não obteve êxito.

A Assessoria do Governador Wilson Witzel emitiu nota sobre o ocorrido:

 

Nota de esclarecimento do Assessor do Governador

 

"Gostaria de esclarecer que na data de ontem, dia 5 de dezembro, à convite do Vereador Gutinho Bernardes, compareci, como Assessor da Casa Civil e Governança, em audiência pública, na presença do Exmo. Sr. Prefeito Flávio Magdalena Bravo e demais autoridades representantes do município de Areal, para participar de debate acerca do implemento da Escola Cívico-Militar na Unidade Escolar Municipal Joaquim Vital Vieira.

No entanto, lamentamos o fato de, na ocasião, não nos ter sido dada a palavra para que pudéssemos solucionar dúvidas que, por ventura, os munícipes pudessem ter, acerca dos projetos do Governo do Estado para implementação de Escolas Cívico-Militares. Sem deixar de ressaltar também, o tratamento desrespeitoso e pouco protocolar dispensado à minha pessoa, como representante do Governo do Estado no evento. A humanidade já progrediu muito para não precisarmos vivenciar atitudes de déspotas absolutistas.

Certo de que em toda Democracia deve sempre haver espaço para a pluralidade de pensamentos e discursos, esperamos que qualquer solução que seja tomada por parte da municipalidade, leve em consideração o interesse público e os anseios da sociedade, acima de qualquer interesse político ou partidário, nos colocando sempre à disposição para ajudar no que for preciso.

 

Pedro Henrique Ferreira Gonzalez

Assessor da Casa Civil e Governança

Por Redação

Crédito da Foto: Reprodução

Publicidade