Professor vive drama com filho e alerta população sobre o perigo dos pombos urbanos

Três Rios - (Saúde) - Quinta, 10 de Janeiro de 2019.

Professor vive drama com filho e alerta população sobre o perigo dos pombos urbanos

Um vídeo publicado nas redes sociais está circulando pela região e vem causando comoção entre os trirrienses. Na imagem, o professor Jacqueson Lima, ex-vereador, faz um alerta sobre as fezes dos pombos urbanos, aves que existem em diversos pontos do município, diante do drama que está vivendo com a doença de seu filho, um jovem de 20 anos, segundo ele, internado desde segunda-feira com uma "hidrocefalia", conforme o diagnóstico médico, ocasionada por alguma forma de contato com as fezes da ave.
Pombos são chamados por muitas pessoas de "ratos de asas", e, a exemplo dos roedores, se adaptaram nas cidades a uma alimentação onde predominam restos de comida humana, como grãos de arroz, feijão e farelos de pão. Conhecido símbolo da paz, a ave transmite doenças - as zoonoses - perigosas, principalmente pelo contato com seus dejetos.
Criptococose, salmonelose, encefalites virais, E. coli (conhecida como Escherichia Coli) e a toxoplasmose, são as principais doenças transmitidas pelo pombo urbano aos humanos.
No caso da criptococose, por exemplo, um fungo que se desenvolve nas fezes do pombo, se aspirado, infecta os pulmões e pode causar um tipo grave de meningite. Essa enfermidade, é letal para pacientes com aids ou alguma doença imunodepressiva (gripe e catapora, por exemplo).
Muitas pessoas condenam quem alimente pombos, porque essas aves acabam fazendo ninhos em locais próximos de onde conseguem alimento e naturalmente acabam proliferando.
Alguns especialistas alertam sobre o perigo e também sobre como evitar que essas aves frequentem lugares que possam levar risco à população de um modo geral.
Em Três Rios, a Praça da Autonomia, no Centro, é um local onde a população convive com as aves que já estão acostumadas ao contato com humanos, sem sequer esboçar medo.
Em São Paulo-SP, uma lei sancionada ano passado pelo prefeito Bruno Covas (PSDB), proíbe que a população alimente os pombos da cidade, determinação válida para a espécie "columba livia", que é a mais comum nos centros urbanos do País. A lei 16.914/18 pune com advertência ou multa, cujo valor varia de R$ 200 a R$ 400 (para casos de reincidência), para quem descumprir a medida. A lei também proíbe o abrigo e o alojamento de pombos urbanos e a venda de alimentos para esse tipo de ave em vias e logradouros públicos. Proprietários de imóveis com infestação de pombos, devem providenciar redes e outros obstáculos que dificultem o seu pouso e criação de ninhos.

Confira algumas dicas importantes para evitar contato e proliferação dessas aves:
• Não alimentar os pombos;
• Evitar que restos de comida fiquem em áreas abertas, como em quintais;
• Manter lixeiras sempre fechadas;
• Manter a comida dos animais de estimação em locais fechados, dificultando o acesso dessas aves;
• Usar acessórios, como fios de nylon, em locais onde elas costumam ficar empoleiradas, para dificultar o equilíbrio das aves, evitando que os pombos toquem a superfície;
• Naftalina e a creolina, que são produtos de forte odor, podem ajudar a espantar os pombos. Outra opção é o gel repelente;
• Colocar redes ou telas de proteção em portas e janelas, protegendo vãos nos telhados e calhas, onde os pombos costumam ficar e fazer ninhos.

Vale lembrar que matar pombos é considerado crime ambiental, de acordo com a Lei Federal nº 9.605, de 12/02/1998.

Por Redação

Crédito da Foto: Reprodução

Publicidade
200 produtos com 50OFF -  468x60
200 produtos com 50OFF - 300x250