Terapia de harmonização com música para pacientes com crise renal chega a Três Rios

Três Rios - (Saúde) - Terça, 02 de Julho de 2019.

Terapia de harmonização com música para pacientes com crise renal chega a Três Rios

Que a música é importante para a saúde mental todos já sabiam, mas sua importância ultrapassa essa barreira e de forma complementar, junto à terapia clínica, vem sendo implementada de acordo com a Política Nacional de Humanização do SUS (HumanizaSUS), instituída pelo Governo Federal desde 2003. Com isso, o clínico geral Dr. Gabriel Innocencio em um estudo realizado na Universidade Severino Sombra, em Vassouras, traz agora para Três Rios, para uma clínica de doenças renais, no Centro de Três Rios, nesta terça-feira (2), a terapia musical.
Segundo estudo o divulgado e diversos artigos publicados em jornais estrangeiros, essa terapia indica mudanças benéficas no aspecto neuro-hormonal após a escuta musical após pessoas saudáveis serem analisadas, podendo trazer novas perspectivas no manejo de doentes crônicos que tenham participação em atividades artísticas. Este estudo teve como objetivo, avaliar mudanças nos aspectos emocionais de pacientes submetidos à hemodiálise após cinco sessões musicais.
A metodologia escolhida consistiu em estudo qualitativo, no qual foram utilizados como ferramenta a análise de conteúdo, após entrevistas com dez pacientes, que foram direcionadas pela aplicação do pós-teste PCQ-12 modificado.
A intervenção musical teve efeito positivo nos aspectos de relaxamento, nas lembranças da história de vida, como força espiritual para enfrentar as dificuldades, como forma de recreação, mudanças na percepção do tempo, na resiliência e na esperança.
Em resposta ao artigo divulgado pode se concluir que a música trouxe mudanças na esfera emocional dos pacientes, indicando ser benéfica se associada como terapia complementar, é o que ressalta o Dr. Gabriel Innocencio que contou um pouco mais sobre esse estudo: “O trabalho envolve pacientes com problemas renais crônicos que fazem hemodiálise três vezes por semana. O objetivo é levar trabalho de harmonização através da música de diversos gêneros para que os pacientes consigam ficar longos períodos na terapia tendo conforto no aspecto emocional trazendo um bem-estar a eles com uma forma de recreação, e que eles consigam diminuir a ansiedade. Tem sido bem interessante nossa experiência em Vassouras; conseguimos até fazer a pesquisa que levou a entrevista e agora trazemos esse trabalho para um clínica, em Três Rios.”
Na conclusão do estudo publicado, os portadores de insuficiência renal crônica, em terapia de hemodiálise, são pacientes que, além do comprometimento de sua saúde física causada pela doença, muitas vezes incurável e progressiva, apresentam importantes transtornos em sua esfera psicoemocional. São sentimentos de angústia, depressão, raiva, estresse, revolta, medo, ansiedade, os quais agravam e aceleram mais o seu estado mórbido, aumentando os eventos cardiovasculares, infecção e outras complicações, diminuindo a sobrevida e a qualidade de vida dos mesmos. A abordagem humanística, através do veículo sonoro permite que, além de sua utilidade em nível biológico, o atendimento às necessidades afetivas do ser, na medida em que seja feito com carinho e amor, traz alívio às dores dos pacientes, mesmo que a cura permanente não seja atingida. Portanto, amplia-se a visão na prática da medicina além dos seus aspectos físicos e biológicos, levando a novos horizontes no tratamento dos pacientes, de forma holística e humana.

Por Zeca Lima

Publicidade
728x90
4 itens por 199